Inscreva-se já.

Este documento atualiza as estratégias para prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica em Hospitais com centro de tratamento intensivo, publicados em 2014. Nesta parte:

  • Profilaxia da úlcera por estresse
  • Volume gástrico residual
  • Nutrição parenteral
  • Pacientes prematuros: introdução

Abordagens que definitivamente não são recomendadas para prevenção de Pneumonia associada à ventilação mecânica e eventos associados à ventilação mecânica

Evidências de boa qualidade sugerem que as seguintes intervenções não diminuem as taxas de pneumonia associada à ventilação mecânica e eventos associados à ventilação mecânica, nem diminuem a duração da ventilação mecânica, o tempo de internação ou a mortalidade.

Profilaxia da úlcera por estresse (Qualidade da Evidência: MODERADA)

A profilaxia de úlcera por estresse reduz o risco de sangramento gastrointestinal. Contudo, em uma metanálise de ensaios clínicos randomizados não sugeriu nenhum impacto na pneumonia nosocomial, tempo de internação ou mortalidade. Um grande estudo randomizado multicêntrico do medicamento pantoprazol versus placebo na UTI, pacientes não apresentaram diferença nas taxas de pneumonia ou mortalidade. A profilaxia de úlcera por pressão pode ser indicada por outros motivos, além daquelas relacionadas a prevenção de PAV.

Monitoramento dos volumes gástricos residuais (Qualidade da Evidência: MODERADO)

Monitorar os pacientes apenas para regurgitação e vômito é tão eficaz quanto monitorar pacientes para regurgitação, vômitos e volumes gástricos residuais em relação às taxas de PAV, duração da ventilação mecânica e mortalidade.

Nutrição parenteral precoce versus tardia (Qualidade de Evidência: MODERADA)

Nutrição parenteral precoce (dentro de 48 horas da admissão na UTI) está associada a um aumento da mortalidade e infecções nosocomiais em comparação com a nutrição parenteral tardia (iniciada no 8º dia da UTI ou após o dia 8).

Abordagens que não são recomendadas nem desencorajadas para prevenção de PAV em pacientes adultos

Essas intervenções não têm impacto nas taxas de PAV ou nos resultados dos pacientes e têm um impacto pouco claro nos custos.

Sistemas de aspiração de tubo endotraqueal fechado (Qualidade de Evidência: MODERADA)

Metanálises não encontraram diferença nas taxas de PAV, duração ventilação mecânica, tempo de permanência na UTI ou mortalidade entre pacientes randomizados para sistemas de aspiração endotraqueal abertos versus fechados. Um estudo em 4 UTIs não encontrou diferença entre sistemas abertos versus fechados nas transmissões de “paciente para paciente” de patógenos gram-negativos. Em diferentes estudos chegaram a conclusões diferentes em relação ao custo.

Prevenção de PAV e/ou eventos associados à ventilação mecânica em pacientes neonatais

Estrutura para avaliar e priorizar intervenções:

Muitos poucos estudos em neonatos avaliaram o impacto das intervenções de prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica e eventos associados à ventilação mecânica na duração da ventilação mecânica, tempo de internação ou mortalidade; portanto, avaliamos as intervenções potenciais com base na segurança, viabilidade e impacto potencial nas taxas de pneumonia associada à ventilação mecânica e pneumonia associada à ventilação mecânica em populações pediátricas. As intervenções que reduzem as taxas de PAV ou pneumonia associada à ventilação mecânica em populações pediátricas e conferem riscos mínimos de danos são classificadas como práticas essenciais. Intervenções com impacto potencial não comprovado nas taxas de PAV ou pneumonia associada à ventilação mecânica em populações pediátricas e risco mínimo de dano são classificadas como abordagens adicionais. Os hospitais podem considerar abordagens adicionais se suas taxas de VAP ou pneumonia associada à ventilação mecânica em populações pediátricas não melhorarem, apesar das altas taxas de desempenho para práticas essenciais. Intervenções com benefícios desconhecidos, riscos conhecidos de danos ou riscos desconhecidos de danos não são recomendados.

Considerações especiais em recém-nascidos prematuros

Os sinais clínicos usados ​​para diagnosticar PAV e pneumonia associada à ventilação mecânica em adultos têm utilidade limitada em recém-nascidos prematuros. A febre raramente ocorre em recém-nascidos prematuros porque eles são propensos à hipotermia e, portanto, são frequentemente termorregulados em incubadoras aquecidas ou aquecedores radiantes. O agravamento das trocas gasosas ou apneia pode ser causado por doenças não pulmonares significativas, incluindo sepse e enterocolite necrosante. Infiltrados novos ou progressivos em recém-nascidos prematuros ventilados geralmente indicam progressão de doença pulmonar crônica ao invés de uma nova infecção. As definições de pneumonia associada à ventilação mecânica para adultos não são adequadas para recém-nascidos porque eles não refletem as práticas padrão de gerenciamento do ventilador para esta população. O CDC publicou recentemente as definições para pneumonia associada à ventilação mecânica para crianças e recém-nascidos, denominados pneumonia associada à ventilação mecânica em populações pediátricas, com base em aumentos sustentados na média diária mínima da pressão e/ou FiO2 das vias aéreas, mas dados sobre a incidência, as causas e formas de prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica em populações de bebês prematuros são escassas.

As taxas médias de densidade combinadas de PAV para neonatos relatados à National Healthcare Safety Network (NHSN) do CDC em 2011 variaram de 0,2 a 1,8 infecções por 1.000 dias de ventilação, permanece-se desconhecido se essas taxas são amplamente representativas de todas as unidades neonatais, pois muitos hospitais não realizam a vigilância de PAV para neonatos (especialmente aqueles nascidos prematuros) devido às limitações das definições de PAV. As taxas de PAV nas UTI neonatais não são mais relatadas ao NHSN.

Parte anterior: https://www.ccih.med.br/prevencao-de-pneumonia-hospitalar-guia-shea-2022-parte-6/

Próxima parte: https://www.ccih.med.br/prevencao-de-pneumonia-hospitalar-guia-shea-2022-parte-8/

Fonte: Klompas M, Branson R, Cawcutt K, Crist M, Eichenwald EC, Greene LR, Lee G, Maragakis LL, Powell K, Priebe GP, Speck K, Yokoe DS, Berenholtz SM. Strategies to prevent ventilator-associated pneumonia, ventilator-associated events, and nonventilator hospital-acquired pneumonia in acute-care hospitals: 2022 Update. Infect Control Hosp Epidemiol. 2022 Jun;43(6):687-713

Link: https://www.cambridge.org/core/journals/infection-control-and-hospital-epidemiology/article/strategies-to-prevent-ventilatorassociated-pneumonia-ventilatorassociated-events-and-nonventilator-hospitalacquired-pneumonia-in-acutecare-hospitals-2022-update/A2124BA9B088027AE30BE46C28887084

Links relacionados:

https://shea-online.org/wp-content/uploads/2022/02/2022-Handbook-Update-Approved-Posted.pdf

https://www.cambridge.org/core/services/aop-cambridge-core/content/view/8E1C86D874AB23D1D5D8A4BBD86E6C3E/S0899823X0019378Xa.pdf/introduction-to-a-compendium-of-strategies-to-prevent-healthcare-associated-infections-in-acute-care-hospitals-2014-updates.pdf

https://www.ajicjournal.org/article/S0196-6553(20)30124-3/fulltext

https://www.ccih.med.br/como-e-por-que-controlar-as-infeccoes-hospitalares/

https://www.ccih.med.br/prevencao-de-pav/

https://www.ccih.med.br/pneumonia-hospitalar/

https://www.ccih.med.br/oms-competencias-essenciais-para-profissionais-de-prevencao-e-controle-de-infeccao-volume-3/

https://www.ccih.med.br/prevencao-de-pneumonia-hospitalar-nao-associada-a-ventilacao-mecanica/

Sinopse por: Thalita Gomes do Carmo

https://www.instagram.com/profa.thalita_carmo/

TAGs: úlcera por estresse, sangramento gastrointestinal, pantoprazol, volume gástrico residual, nutrição parenteral, sistemas de aspiração, neonatologia, pneumonia, PAV, ventilação mecânica, febre, trocas gasosas, apneia, infiltrados radiológicos, CDC



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express