Os autores tiveram como objetivo determinar a prevalência, os fatores de risco e a epidemiologia molecular da colonização de Methicillin-Resistant Staphylococcus Aureus (MRSA) na admissão de pacientes em unidades de tratamento intensivo e desenvolver uma estratégia de rastreamento do custo-efetividade.

Como método foi aplicado um rastreamento nasal e de virilha na admissão das 15 unidades de tratamento intensiva dos diversos hospitais aproximadamente 215.600 pacientes em 7 regiões captadas de Hong Kong. Todos os casos de MRSA isolados foram submetidos a pesquisa pela proteína estafilocócica A (SPA).

Foi encontrado uma taxa total de 14,3% de casos de MRSA.  Como fatores de risco encontrados foram a terceira idade e os que apresentavam imobilização no leito.  Assim a MRSA foi prevalente nas unidades de tratamento intensivo dos hospitais de Hong Kong.

Os autores concluíram que o rastreio de MRSA é uma abordagem eficaz para aumentar a detecção do reservatório de MRSA. E, que os lares para terceira idade são epicentros que aguardam grande carga de MRSA e podem amplificar a carga quando pacientes internam nas UTI provenientes desses centros. Reforços de medidas para controle da MRSA em centros de abrigos para Terceira idade é uma importante estratégia para controle de MRSA em hospitais.

 

Fonte: Infection Control and Hospital Epidemiology, Vol. 35, No. 1 (January 2014), pp. 42-48

Resenha realizada por: Thalita Gomes


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.