Inscreva-se já.

As principais e mais preocupantes doenças emergentes são zoonoses e não há como reduzir sua ameaça sem conhecer os fatores de risco para sua ocorrência. Precisamos entender melhor este problema para nos preparar para as possíveis próximas pestes pandêmicas. Elas reforçam o conceito de One Heath lançado recentemente, que une a saúde do planeta, dos animais e da espécie humana. Está disponível gratuitamente na internet um excelente livro realizado por profissionais de saúde da Índia, que aborda os vários aspectos sobre o tema. Apresentamos a seguir alguns de seus principais tópicos:

  • O que são zoonoses?
  • Quais principais fatores estão implicados com sua ocorrência crescente?
  • Quais as principais consequências das zoonoses para a saúde pública?
  • Qual a importância da vida selvagem na emergência de zoonoses?
  • Quais os principais impactos das mudanças climáticas nessas zoonoses?
  • As zoonoses podem também ser consideradas doenças ocupacionais?
  • Como o conceito de One Heath se aplica às zoonoses?
  • Quais são as principais medidas dos profissionais de saúde para prevenção e controle dessas zoonoses?

O que são zoonoses?

Zoonoses são doenças infecciosas causadas por microrganismos que passam de animais aos humanos e vice-versa. Nas últimas décadas, a maioria das doenças emergentes e reemergentes eram, de fato, de origem zoonótica ou de potencial zoonótico. O termo “zoonose” foi cunhado pelo médico alemão Rudolf Virchow, conhecido principalmente como pai da patologia científica, mas também como importante figura política na Alemanha do século XIX. Embora enraizado em um sistema universitário clássico baseado em faculdades, ele e seu discípulo canadense William Osler, também médico de formação, desde muito cedo reconheceu a necessidade de colaboração interdisciplinar entre medicina humana e veterinária e – provavelmente ainda mais importante – a saúde pública, aspectos sociais e políticos das zoonoses.

Quais principais fatores estão implicados com sua ocorrência crescente?

As doenças humanas que podem ter origem em animais infectados, como Leptospirose ou Creutzfeldt-Jakob, destacaram a necessidade de uma melhor compreensão das doenças animais em termos de sua epidemiologia, mecanismo transmissão ao homem, diagnóstico, prevenção e controle. Mudanças sociais e demográficas também contribuíram para a importância de adquirir e difundir conhecimento sobre zoonoses. Por exemplo, à medida que as pessoas invadem cada vez mais áreas ecológicas com as quais elas tiveram pouco contato e cuja fauna pode não ser bem conhecida, sua exposição a animais e as infecções que eles transmitem aumentou.

Novos conhecimentos também estão sendo desenvolvidos na área de ecologia urbana. A facilidade e a velocidade das viagens modernas também facilitam a disseminação de doenças antes confinadas a áreas geográficas específicas, como ocorreu recentemente com síndrome respiratória (SARS) e COVID 19. A migração e o comércio de animais representa um ameaça, como foi demonstrado pelos surtos nos Estados Unidos da febre do Nilo Ocidental e recentemente, varíola dos macacos — duas doenças não conhecidas anteriormente no Hemisfério Ocidental. Cada um desses exemplos destaca a necessidade de melhor conhecimento e vigilância e resposta a zoonoses.

Hoje, mais de 200 doenças que ocorrem em humanos e animais são conhecidas por serem mutuamente transmitidas. Elas são causadas por príons, vírus, bactérias (incluindo riquétsias e clamídias), fungos, protozoários, e helmintos, bem como artrópodes. Um Comitê de Especialistas da Organização Mundial da Saúde definiu zoonoses em 1958 como “doenças e infecções que são naturalmente transmitidas entre vertebrados e humanos”.

Quais as principais consequências das zoonoses para a saúde pública?

Atualmente, nenhuma diferença é feita no que diz respeito à direção de transmissão, que é, animal para humano ou humano para animal, embora existam tentativas de descrever precisamente a direção de transmissão. O termo “zooantroponoses” referia-se a doenças transmitidas de animais para humanos, e o termo “antropozoonoses” se referia a doenças transmitidas de humanos a animais.

As zoonoses são uma ameaça persistente à sociedade humana. Doenças infecciosas clássicas, como a raiva, a peste e a febre amarela, conhecidas há séculos, são zoonoses que não foram erradicadas apesar dos grandes esforços. E a importância das zoonoses ainda aumenta. Dentro últimos anos, novas entidades zoonóticas foram detectadas, por exemplo, doença de Lyme, erliquiose, infecções por Escherichia coli enterohemorrágica, criptosporidiose e síndrome de hantavirose pulmonar. A ameaça cada vez maior que as zoonoses representam para os seres humanos têm muitas causas que diferem de país para país. Superpopulação, guerras e deterioração progressiva das condições de vida pode causar a migração de inúmeras pessoas para favelas das grandes cidades, com consequente ruptura da higiene e da saúde pública. A proximidade de suas moradias a enormes depósitos de lixo e sua dependência de água contaminada com esgoto facilita o contato com roedores, animais errantes e seus parasitas. A escassez de alimentos força milhões de humanos a desmatar florestas para cultivo e para produzir novos assentamentos em áreas onde as populações animais e seus agentes patogênicos foram anteriormente separados dos humanos. Os seres humanos podem participar involuntariamente de atividades desconhecidas. Ciclos parasita-hospedeiro e tornam-se um novo elo em uma cadeia infecciosa.

Em muitos desses casos, humanos, como hospedeiros acidentais, não estão de forma algumas adaptados às novas espécies patogênicas, que podem resultar em alta mortalidade. A irrigação artificial muda a ecologia de países inteiros. Lagos e lagoas artificiais atraem animais e seus parasitas a grandes distâncias e proporcionam criadouros, especialmente para mosquitos. Animais errantes, geralmente infectados com vários patógenos, são reservatórios de agentes infecciosos, não só em países em desenvolvimento, mas também em países desenvolvidos.

Agentes zoonóticos de baixa virulência podem causar infecções fatais em imunossuprimidos humanos (por exemplo, pacientes infectados com HIV). Outra fonte potencial de infecção é o transporte de criação e abate de animais a grandes distâncias e além-fronteiras, muitas vezes com fiscalização insuficiente para o controle da doença. Novos agentes de doenças podem ser introduzidos em um país por importação legal ou, pior ainda, ilegal de animais exóticos para zoológicos, fins de pesquisa ou casas particulares. Além disso, vários patógenos zoonóticos, por exemplo, Francisella tularensis, Yersinia pestis, Brucella spp., Bacillus anthracis, Coxiella burnetii e vírus da febre hemorrágica são consideradas possíveis armas de bioterrorismo.

O problema das doenças transmitidas entre animais e humanos tem muitos aspectos, especialmente porque não é incomum que os animais sirvam como reservatório ou hospedeiros intermediários para serem portadores e/ou excretores clinicamente inaparentes de um agente. Sem dúvida, zoonoses atualmente desconhecidas surgirão no futuro. Novos métodos para a detecção direta ou indireta de microrganismos contribui para a detecção de novas zoonoses.

Quando a invasão humana de áreas até então desabitadas resulta em mudanças ambientais, zoonoses novas e potencialmente perigosas podem se tornar evidentes. Síndrome respiratória aguda grave e COVID 19, causada por um coronavírus recém-surgido, é um dos exemplos mais recentes da ameaça de infecções perigosas, embora seja possível sua origem zoonótica, ainda não foi esclarecida. No estudo das zoonoses, médicos especialistas e veterinários devem cooperar estreitamente para estudar a etiologia, epidemiologia e frequentemente ciclos de desenvolvimento complexos e modos de transmissão de patógenos e seus vetores, como bem como a apresentação clínica, diagnóstico, diagnóstico diferencial, terapia e profilaxia das doenças associadas. Os efeitos negativos das zoonoses são de grande alcance. Alta incidência continuam a causar morbidade e mortalidade significativas em humanos e animais. Seu impacto econômico é visto na perda de produtividade do trabalho devido a doenças; viagens reduzidas e turismo para áreas afetadas; redução da produção de gado e alimentos; morte e destruição de animais afetados e restrições e reduções no comércio internacional.

Qual a importância da vida selvagem na emergência de zoonoses?

A vida selvagem refere-se a animais e pássaros não domesticados e de livre circulação que vivem na natureza e incluem mamíferos, aves, répteis, peixes e anfíbios, dos quais 7,6% eram espécies de mamíferos, 12,6% de espécies de aves e 6,2% de répteis.

Apesar de ter um papel crítico na manutenção da integridade ecossistema global, a vida selvagem também é conhecida por transmitir um risco importante de zoonoses em todo o mundo. Relata-se que de 1415 patógenos humanos conhecidos, 62% eram de origem zoonótica e cerca de 75% das doenças emergentes, incluindo zoonoses, foram originadas da vida selvagem

Recentemente, as zoonoses virais emergiram como um grande problema de saúde pública em todo o mundo. Isso se deve ao efeito de vários fatores, como mudança na epidemiologia de doenças, extensas distribuições de vetores, mudanças climáticas, tremendo aumento da população humana etc. A vida selvagem, sendo o reservatório de várias infecções zoonóticas, foi identificada como um dos principais motivos contribuindo para a propagação de doenças virais emergentes e reemergentes. Daí, a necessidade de reconhecer o papel da vida selvagem no surgimento de zoonoses virais, para a implementação de medidas de prevenção e controle eficazes de surtos. Muitos patógenos zoonóticos emergentes e reemergentes foram originados de espécies da vida selvagem, como ungulados, roedores, morcegos, javali e aves selvagens aquáticas e terrestres.

O surgimento de zoonoses virais é um evento multifatorial, envolvendo muitos dos fatores antropológicos que têm implicações negativas na saúde da vida selvagem, que por sua vez têm impacto na saúde humana. Os principais fatores de risco que influenciam o surgimento ou reemergência de zoonoses relacionadas à vida selvagem inclui expansão agrícola, viagens globais, comércio de animais domésticos e exóticos, urbanização e mudança de habitat, aumento exponencial da população humana, mudanças climáticas, movimentos de vetores e de espécies de hospedeiros animais e mudanças dos próprios microrganismos.

Quais os principais impactos das mudanças climáticas nessas zoonoses?

O principal fator ambiental responsável pela incidência de zoonoses doenças é a mudança climática, como uma mudança na temperatura, umidade relativa (UR), padrão de chuvas e a frequência de eventos extremos, como secas severas, ondas de calor e inundações costeiras. Influência na sensibilidade ao patógeno, interação entre hospedeiro-vetor-patógeno, e reprodução e migração de vetores são os principais fatores climáticos que facilitam a transmissão de doenças zoonóticas. As mudanças climáticas também levam ao estresse oxidativo e imunossupressão que aumenta a incidência de doenças. Afeta também a qualidade e a quantidade de alimentos/rações disponíveis que, por sua vez, facilita a ocorrência de doenças zoonóticas entre pessoas e animais.

Pesquisas em animais demonstraram que o estresse térmico ativa o sistema hipotálamo-hipófise-adrenal, que leva a um aumento no nível de cortisol e de catecolaminas. Isso pode resultar em imunossupressão, que deprime a atividade do linfócito, o que pode aumentar as chances de entrada de patógenos no hospedeiro.

Artrópodes vetores envolvidos na transmissão de doenças zoonóticas são mais sensíveis à variabilidade do clima e da temperatura. Taxa de reprodução, alimentação, disponibilidade de criadouros, sobrevivência de vetores etc., podem ser afetados por fatores climáticos, favorecendo a ampliação de sua distribuição geográfica.

Alimentos seguros salvam vidas, mas as zoonoses transmitidas por alimentos ocorrem também devido à consumo de alimentos contaminados com microrganismos. O calor extremo afeta o armazenamento de alimentos e pode aumentar a deterioração e contaminação de alimentos principalmente os de origem animal (o alto valor nutritivo favorece crescimento microbiano) que aumenta a incidência de doenças transmitidas por alimentos, inclusive zoonoses.

Ondas de calor aumentam a incidência de doenças em pecuária, que favorece o uso de antibióticos ou produtos químicos nesses animais. Mas o uso irracional de antibióticos nas fazendas pode levar ao desenvolvimento da resistência antimicrobiana. A entrada desses organismos no leite e carne pode contaminar a cadeia alimentar e representar uma ameaça de transferência de microrganismos resistentes na população humana.

As zoonoses podem também ser consideradas doenças ocupacionais?

Os trabalhadores da indústria da carne correm riscos particulares de adquirir muitas infecções zoonóticas, devido ao contato próximo que existe entre eles e os animais durante o abate ou processamento. Destaca-se mundialmente o contato com: gado, búfalo, cabra, ovelha, camelo, cavalo, porco, veado, rena, canguru, coelho, aves e peixes.

Durante a etapa de evisceração, a disseminação de bactérias zoonóticas pode ocorrer a partir de animais colonizados. Portanto, nos matadouros, as boas práticas de higiene e limpeza dos equipamentos são relevantes tanto para prevenir quanto para reduzir o nível de contaminação da carcaça. Os trabalhadores dos matadouros contactam diretamente os tecidos animais, pelo que seria de esperar que eles seriam expostos a esses agentes regularmente. Prevenção de doenças profissionais na equipe de frigoríficos pela educação dos trabalhadores sobre a natureza da zoonose e como para minimizar o risco de infecção pelo manuseio cuidadoso de estoques potencialmente infectados, carcaças e miudezas e inspeção veterinária eficiente ante-motem especialmente com animais potencialmente colonizados.

Educar a equipe para todos os riscos de doenças, evitando cortes, feridas e abrasões e tratamento eficiente quando ocorrem, construção e layout adequados das plantas físicas e de ventilação nas áreas de manipulação, primeiros socorros nos acidentes, vacinação do pessoal, prevenção de doenças em animais domésticos e a estreita ligação com especialistas médicos também podem reduzir o risco de contrair infecções zoonóticas.

Como o conceito de one Heath se aplica às zoonoses?

Por volta de 400 a.C., Hipócrates em seu tratado sobre Ares, Águas e Lugares ensinou os médicos que todos os aspectos da vida dos pacientes precisam ser considerados, incluindo seu meio ambiente. A doença era resultado do desequilíbrio entre o homem e o meio ambiente. Desta forma, o conceito de Saúde Única não é novo, embora sua importância tenha sido percebida tardiamente. De acordo com essa concepção atualizada, saúde é definida como o esforço colaborativo de várias disciplinas para obter a saúde ideal para pessoas, animais e nosso meio ambiente. Logo, depende da promoção, melhoria e defesa para a saúde e bem-estar de todas as espécies, aumentando a cooperação e colaboração entre médicos, veterinários e outros profissionais de saúde e promovendo liderança e gestão para atingir esses objetivos. A Organização Mundial de Saúde afirma que “saúde humana e saúde animal são interdependentes e vinculados à saúde dos ecossistemas em que existem”.

A rápida movimentação de pessoas e produtos, uma crescente demanda por fontes de proteína, destruição do habitat, aumento do contato entre humanos e animais, mudanças climáticas e a crescente resistência antimicrobiana influenciam direta ou indiretamente a saúde. Hoje, à medida que a população humana se expande globalmente, resultando em maior contato com animais domésticos e selvagens, a ameaça de doenças de animais para os humanos se aproxima trazendo pesadelos de incerteza da sustentabilidade da raça humana. Além disso, desmatamento massivo, práticas agrícolas intensivas, mudanças climáticas, o aumento do comércio e das viagens perturbam as características ambientais, resultando em frequentes interações mais próximas e aumentando a possibilidade de transmissão de doenças.

Saúde única foi um conceito sugerido para demonstrar a inseparabilidade da saúde humana, animal e ambiental. Além disso, a Organização das Nações Unidas recentemente destacou que medidas multidisciplinares e uma visão unificada da atenção à saúde são fundamentais para alcançar os objetivos para o desenvolvimento sustentável.

É necessário realizar pesquisas sobre zoonoses, segurança alimentar e compreender interação do homem com os animais e o meio ambiente. Tornou-se imperativo conduzir pesquisas interdisciplinares, adotar práticas de conservação inclusivas e inovadoras. Isso poderia ser alcançado introduzindo mais recursos nos países em desenvolvimento pela disponibilidade gratuita de informações on-line sobre saúde. Falta de infra-estrutura básica de saúde nos países em desenvolvimento tem implicações adversas sobre a saúde humana, animal e o meio ambiente.

Quais são as principais medidas dos profissionais de saúde para prevenção e controle dessas zoonoses?

Para uma prevenção e controle eficazes destas zoonoses são necessários: a melhoria dos sistemas de notificação de doenças; vigilância eficiente; controle de vetores; programas de triagem; aprimoramento dos métodos de diagnóstico, da capacidade laboratorial e de pesquisa; desenvolvimento de vacinas e medicamentos; treinamento e comunicação. Ao mesmo tempo deve ser implementada uma colaboração interdisciplinar e internacional da Organização Mundial da Saúde e do comitê internacional de epizootias e o estabelecimento de uma eficiente rede transversal nacional e internacional para o compartilhamento de dados, alertas oportunos e resposta eficaz à doença e surtos.

Sinopse por: Antonio Tadeu Fernandes

Fonte: https://www.academia.edu/50104107/Emerging_Zoonoses_and_One_Health_Approach?from=cover_page

Links adicionais:

https://openwho.org/channels/onehealth?locale=pt-BR

https://www.cdc.gov/onehealth/basics/index.html

https://www.oie.int/en/what-we-do/global-initiatives/one-health/

https://www.ccih.med.br/importancia-de-one-health-para-covid-19-e-pandemias-do-futuro/

Palavras chave / TAGs: zoonoses. Animais, medicina veterinária, doenças emergentes, doenças reemergentes, interdisciplinar, saúde pública, aspectos sociais, política, epidemiologia, transmissão, diagnóstico, prevenção, controle, mudanças sociais, mudanças demográficas, ecologia urbana, viagens, migração, comércio de animais, febre do Nilo Ocidental, varíola de macacos, príons, vírus, bactérias, fungos, protozoários, helmintos, artrópodes, zooantroponoses, antropozoonoses, raiva, peste, febre amarela, doença de Lyme, erliquiose. Escherichia coli enterohemorrágica, criptosporidose, hantavirose pulmonar, superpopulação, guerra, condições de vida, migração, água contaminada, esgoto, desmatamento, cadeia infecciosa, hospedeiros acidentais, mortalidade, irrigação artificial, imunossuprimidos, Franscisella tularensis, Brucella, bacilus anthracis, Coxiele burnetii, febre hemorrágica, bioterrorismo, hospedeiros intermediários, síndrome resporatória aguda grave, SARS, Covid-19, ecossistema, mudanças climáticas, expansão agrícola,inundações, secas, calor excessivo, aquecimento global, armazenamento de alimentos, contaminação de alimentos, antibióticos, resistência antimicrobiana, saúde ocupacional, boas práticas, higiene, limpeza, inspeção veterinária, desequilíbrio, sustentabilidade, saúde única, One Health, Organização das nações Unidas, desenvolvimento sustentável, notificação de doenças, vigilância, vacinas, tratamento, compartilhamento de dados



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express