Inscreva-se já.

A redução da poluição antimicrobiana é fundamental para combater os níveis crescentes de resistência aos medicamentos e proteger o meio ambiente

O Grupo de Líderes Globais sobre Resistência Antimicrobiana pediu hoje a todos os países que reduzam a quantidade de resíduos antimicrobianos que entram no meio ambiente. Isso inclui pesquisar e implementar medidas para descartar com segurança os resíduos antimicrobianos de alimentos, saúde humana e sistemas de saúde animal e instalações de fabricação.

A chamada vem antes da Assembleia da ONU para o Meio Ambiente, que acontece em Nairóbi de forma online, de 28 de fevereiro a 2 de março de 2022, onde os países discutirão os desafios ambientais mais urgentes do mundo.

O apelo à ação do Grupo de Líderes Globais pede a todos os países que melhorem as medidas para a gestão e eliminação de resíduos contendo antimicrobianos e escoamento de locais de fabricação, fazendas, hospitais e outras fontes.

Antimicrobianos administrados a humanos, animais e plantas estão entrando no meio ambiente e nas fontes de água (incluindo fontes de água potável) por meio de águas residuais, resíduos, escoamento e esgoto e, por meio disso, espalham organismos resistentes a medicamentos e resistência antimicrobiana.

Isso pode alimentar um aumento no surgimento e disseminação de “superbactérias” resistentes a vários tipos de drogas antimicrobianas. Também pode prejudicar os organismos no meio ambiente.

Ações importantes incluem:

  • No setor manufatureiro, desenvolver padrões nacionais de poluição de fabricação antimicrobiana para melhor controlar e monitorar a poluição antimicrobiana;
  • No setor de saúde humana e animal, aplicar leis e políticas para reduzir ou eliminar o uso de antimicrobianos que não esteja sob a orientação de um profissional de saúde treinado.
  • Em sistemas alimentares, implementar normas para tratar e gerir descargas de explorações de alimentos para animais, quintas de aquicultura e campos de cultivo.

A crise climática também pode estar contribuindo para o aumento da resistência antimicrobiana.

“As conexões entre resistência antimicrobiana, saúde ambiental e crise climática estão se tornando cada vez mais fortes.” diz a co-presidente do Grupo de Líderes Globais sobre Resistência Antimicrobiana, Sua Excelência Mia Amor Mottley, Primeira-Ministra de Barbados. “Devemos agir agora para proteger o meio ambiente e as pessoas em todos os lugares dos efeitos prejudiciais da poluição antimicrobiana.”

Compreender e gerenciar a poluição antimicrobiana global deve ser uma prioridade para todos os países

https://www.who.int/news/item/02-03-2022-world-leaders-and-experts-call-for-action-to-protect-the-environment-from-antimicrobial-pollution

Editado por Laura Czekster Antochevis

Contatos: [email protected]  ou http://linkedin.com/in/laura-czekster-antochevis-457603104



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express