Destacamos neste boletim material da AVISA resumindo as vacinas Covid-19 em desenvolvimento, recomendações do CDC para período de férias e festas e vários artigos comemorando o controle da resistência microbiana. Entre artigos de CCIH, destacamos uma pesquisa qualitativa analisando a percepção da enfermagem para programas de controle de antimicrobianos.

Boa leitura.

Programação da TV CCIH: 23 a 27 de novembro

Como em todas as semanas a TV CCIH transmitirá sua programação a partir das 20 horas, de segunda a sexta, de acordo com esta programação:

ANVISA: Resistência microbiana: saiba o que é e como evitar

Anvisa adverte: interromper tratamentos com antimicrobianos sem antes discutir com o profissional prescritor nunca é uma boa ideia, pelo simples fato de que a doença pode não ser curada adequadamente e o microrganismo pode desenvolver resistência aos medicamentos.

De forma resumida, podemos entender a resistência microbiana como um fenômeno caracterizado pela capacidade de microrganismos (bactérias, fungos, parasitas etc.) resistirem à ação de antimicrobianos. O resultado disso é a diminuição ou a eliminação da eficácia do medicamento para curar ou prevenir infecções, ou seja, não se obtém o sucesso esperado com a terapia antimicrobiana.

As consequências desse problema vão desde o agravamento de enfermidades, o prolongamento de internações e a necessidade de se utilizar mais medicamentos, aumentando o risco de efeitos adversos, até óbitos, em casos extremos.

O problema já tem impacto conhecido no tratamento de doenças como infecções urinárias, respiratórias e sexualmente transmissíveis (ISTs), além de pneumonias e tuberculose, além de várias outras. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a resistência microbiana causa 700 mil mortes todos os anos, exigindo esforço global no seu enfrentamento.

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2020/resistencia-microbiana-saiba-o-que-e-e-como-evitar

Medicamentos controlados e antimicrobianos: dados abertos

Anvisa publicou, no gov.br e no Portal Brasileiro de Dados Abertos, informações relacionadas à venda de medicamentos controlados e antimicrobianos. A ação representa mais um grande avanço na transparência ativa da Agência e na prestação de serviços on-line.

As bases de dados estão disponíveis em arquivos para download e possibilitam ao usuário realizar diferentes tipos de análises e pesquisas. Já os painéis hospedados na plataforma gov.br permitem a visualização gráfica e tabular das informações e a filtragem dos dados de várias formas.

Esses bancos de dados são integrantes de dois sistemas: o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), que reúne informações provenientes de farmácias e drogarias privadas, e o Datavisa, que agrega as referências do cadastro de medicamentos registrados.

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2020/medicamentos-controlados-e-antimicrobianos-dados-abertos 

OPAS apoiará países a enfrentar desafios e custos de uma futura vacina contra a COVID-19

A distribuição de futuras vacinas contra a COVID-19 “será desafiadora e cara” e, por isso, é essencial que os países comecem a se preparar agora”, afirmou Jarbas Barbosa, subdiretor da Organização Pan-Americana da Saúde durante uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (18). As projeções para a América Latina e o Caribe mostram que vacinar 20% da população custará mais de US$ 2 bilhões.

A OPAS já está trabalhando com países das Américas para facilitar o acesso às vacinas contra a COVID-19 pelo mecanismo COVAX e oferecerá a opção de comprar as vacinas em larga escala por meio do Fundo Rotatório da OPAS. “Até hoje, 28 países autofinanciados assinaram acordos com o COVAX e mais 10 países são elegíveis para apoio no âmbito do Compromisso de Mercado Avançado (AMC) do COVAX”, ressaltou Barbosa.

A Organização também firmou uma parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, a União Europeia e outras instituições financeiras, além de doadores, para garantir o financiamento necessário para garantir a adesão de países de baixa renda na Região.

Barbosa destacou que, “embora a Região continue a enfrentar desafios para responder ao vírus, a semana passada trouxe algumas boas notícias com relação ao desenvolvimento de potenciais vacinas contra a COVID-19. “Isso é encorajador e estamos ansiosos para revisar os dados que as acompanham”, disse o subdiretor da OPAS, pontuando que “apenas uma vacina que se provou segura e eficaz será aprovada pelos órgãos reguladores, endossada pela OMS e, em última instância, disponibilizada pelo COVAX”.

Faltam alguns meses para a vacina contra a COVID-19, “portanto, as medidas para reduzir a propagação do vírus, controlar a transmissão e salvar vidas devem continuar: usar máscaras, manter distância física, evitar reuniões desnecessárias e seguir as recomendações das autoridades sanitárias locais e nacionais”, acrescentou o subdiretor da OPAS.

Fonte: https://www.paho.org/pt/noticias/18-11-2020-opas-apoiara-paises-enfrentar-desafios-e-custos-uma-futura-vacina-contra-covid

OMS: Semana Mundial de Conscientização Antimicrobiana – 18 a 24 de novembro de 2020

Todos os anos, a Semana Mundial de Conscientização Antimicrobiana visa aumentar a conscientização sobre a resistência antimicrobiana global e encorajar as melhores práticas entre o público em geral, profissionais de saúde e formuladores de políticas para impedir o surgimento e disseminação de infecções resistentes a medicamentos.

À medida que a resistência aumenta a uma gama mais ampla de medicamentos, ampliamos o foco desta campanha de antibióticos para todos os antimicrobianos. O tema da Semana Mundial de Conscientização Antimicrobiana 2020 para o setor de saúde humana é “Unidos para preservar os antimicrobianos”.

O uso incorreto e excessivo de antimicrobianos em humanos, animais e plantas são os principais fatores para o desenvolvimento de infecções resistentes a medicamentos. As más práticas de prescrição médica e a adesão do paciente ao tratamento também contribuem. Por exemplo, os antibióticos matam bactérias, mas não podem matar infecções virais como resfriados e gripes. Frequentemente, são prescritos incorretamente para essas doenças ou tomados sem supervisão médica adequada. Os antibióticos também são comumente usados ​​em excesso em animais de fazenda e na agricultura.

A falta de água potável e saneamento nos estabelecimentos de saúde, fazendas e ambientes comunitários e a prevenção e controle inadequados de infecções promovem o surgimento e a disseminação de infecções resistentes aos medicamentos.

Além disso, o uso indevido de antibióticos durante a pandemia de COVID-19 pode levar ao surgimento e disseminação acelerada da resistência antimicrobiana. COVID-19 é causado por um vírus, não por uma bactéria e, portanto, antibióticos não devem ser usados ​​para prevenir ou tratar infecções virais, a menos que infecções bacterianas também estejam presentes.

Confira materiais educativos no link abaixo: https://www.who.int/campaigns/world-antimicrobial-awareness-week/2020

Guia OMS – Manter a vigilância da influenza e monitorar o SARS-CoV-2

A ameaça de epidemias e pandemias de gripe persiste. É imperativo manter uma vigilância significativa da influenza em todo o mundo, enquanto países se adaptam para atender aos objetivos de vigilância do COVID-19.

O documento fornece informações práticas para manter a vigilância da influenza e monitorar o SARS-CoV-2.

Fonte: https://www.who.int/publications/i/item/maintaining-surveillance-of-influenza-and-monitoring-sars-cov-2-adapting-global-influenza-surveillance-and-response-system-(gisrs)-and-sentinel-systems-during-the-covid-19-pandemic

CDC – Celebrações de feriados e pequenas reuniões

A pandemia COVID-19 tem sido estressante e isoladora para muitas pessoas. Os encontros durante as próximas férias podem ser uma oportunidade para se reconectar com a família e amigos. Nesta temporada de férias, considere como seus planos podem ser modificados para reduzir a disseminação de COVID-19 para manter seus amigos, famílias e comunidades saudáveis ​​e seguras.

O CDC oferece as seguintes considerações para retardar a disseminação do COVID-19 durante pequenas reuniões. Essas considerações têm como objetivo complementar – e não substituir – quaisquer leis, regras e regulamentações estaduais, locais, territoriais ou tribais de saúde e segurança que todas as reuniões devem cumprir.

Comemorar virtualmente ou com membros de sua própria casa (que estão constantemente tomando medidas para reduzir a propagação de COVID-19) apresenta o menor risco de propagação. Sua família é qualquer pessoa que atualmente more e compartilhe espaços comuns em sua unidade habitacional (como sua casa ou apartamento). Isso pode incluir membros da família, bem como colegas de quarto ou pessoas que não são relacionadas a você. Pessoas que atualmente não moram em sua unidade habitacional, como estudantes universitários que estão voltando da escola para as férias, devem ser consideradas parte de diferentes famílias e esses encontros apresentam vários níveis de risco.

Os organizadores e participantes de eventos maiores devem considerar o risco de disseminação do vírus com base no tamanho do evento (número de participantes e outros fatores) e tomar medidas para reduzir a possibilidade de infecção, conforme descrito nas Considerações para eventos e encontros.

Vários fatores podem contribuir para o risco de obter e disseminar COVID-19 em pequenas reuniões pessoais. Combinados, esses fatores criarão vários riscos:

  • Níveis comunitários de COVID-19 – Níveis elevados ou crescentes de casos COVID-19 no local, bem como nas áreas de procedência dos participantes, aumentam o risco de infecção e disseminação entre os participantes. A família e os amigos devem considerar o número de casos COVID-19 em sua comunidade e na comunidade onde planejam comemorar ao decidir se querem hospedar ou participar de uma reunião.
  • Exposição durante a viagem – aeroportos, estações de ônibus, estações de trem, transporte público, postos de gasolina e paradas de descanso são todos os lugares onde os viajantes podem ser expostos ao vírus no ar e em superfícies.
  • Local da reunião – reuniões internas, especialmente aquelas com pouca ventilação (por exemplo, pequenos espaços fechados sem ar externo), representam mais risco do que reuniões ao ar livre.
  • Duração da reunião – Reuniões que duram mais representam mais risco do que reuniões mais curtas. Estar a menos de 2 metros de alguém que tem COVID-19 por um total cumulativo de 15 minutos ou mais aumenta muito o risco de adoecer e requer uma quarentena de 14 dias.
  • Número e aglomeração de pessoas na reunião – reuniões com mais pessoas representam mais risco do que reuniões com menos pessoas. O CDC não tem um limite ou recomenda um número específico de participantes para as reuniões. O tamanho de uma reunião de feriado deve ser determinado com base na capacidade dos participantes de diferentes famílias de manterem distanciamento adequado, usar máscaras, lavar as mãos e seguir as leis estaduais, locais, territoriais ou tribais de saúde e segurança. regras e regulamentos.
  • Comportamentos dos participantes antes do encontro – Indivíduos que não aderiram de forma consistente ao distanciamento social, uso de máscara, lavagem das mãos e outros comportamentos de prevenção representam mais risco do que aqueles que praticaram consistentemente essas medidas de segurança.
  • Comportamentos dos participantes durante a reunião – Reuniões com mais medidas de segurança em vigor, como uso de máscara, distanciamento social e lavagem das mãos, representam menos risco do que reuniões em que menos ou nenhuma medida preventiva está sendo implementada. O uso de álcool ou drogas pode alterar o julgamento e tornar mais difícil a prática das medidas de segurança COVID-19.

Fonte: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/daily-life-coping/holidays.html

OSHA – Orientações sobre Proteção Respiratória para Instalações de Cuidados de Longo Prazo durante a Pandemia de Coronavírus

A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional do Departamento de Trabalho dos EUA (OSHA) emitiu orientações de proteção respiratória com foco na proteção de trabalhadores em lares de idosos, vida assistida e outras instalações de cuidados de longo prazo (ICLP) da exposição ocupacional ao SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19.

Medidas de controle de origem são recomendadas para todos nas unidades de saúde, mesmo se o usuário não apresentar sintomas do coronavírus. A orientação descreve várias medidas de controle de origem, incluindo coberturas faciais de tecido, máscaras faciais e máscaras cirúrgicas autorizadas ou aprovadas pela FDA. Os profissionais de saúde devem usar produtos / dispositivos de controle de origem o tempo todo enquanto estiverem dentro de uma LTCF, inclusive em salas de descanso ou outros espaços onde possam encontrar outras pessoas.

Fonte: https://www.osha.gov/news/newsreleases/national/10302020-0

Relatório Técnico sobre o Monitoramento de Vacinas Desenvolvidas Contra SARS-CoV-2 do MS

O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral de Ações Estratégicas em Pesquisa Clínica, do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (CGPCLIN/DECIT/SCTIE) iniciou, em abril de 2020, o monitoramento periódico do pipeline global de candidatas à vacina contra Sars-CoV-2 em desenvolvimento.

A variabilidade na apresentação clínica da doença, a falta de uma terapia farmacológica eficaz cientificamente comprovada por ensaios clínicos randomizados, tipo de estudo considerado padrão-ouro, e os impactos negativos da pandemia, desencadearam uma corrida global de pesquisa e desenvolvimento (P&D) de uma vacina contra a doença.

O documento apresenta as principais etapas e atores envolvidos no processo, assim como detalha os resultados obtidos até agora.

Até 23 de outubro de 2020, foram identificadas 270 vacinas em desenvolvimento contra SarsCoV-2, das quais 51 estão na fase clínica de desenvolvimento.

Fonte: https://www.ccih.med.br/monitoramento-de-vacinas-em-desenvolvimento-contra-sars-cov-2/

Empoeiramento de enfermeiras na administração de antibióticos: uma análise socioecológica qualitativa

O uso inapropriado de antibióticos e a resistência antimicrobiana tem se tornado cada vez mais problemas de saúde global de grande preocupação. Em resposta, programas para administração de antibióticos foram implementados ao redor do mundo; tais programas necessitam do esforço coordenado de médicos, farmacêuticos, enfermeiras e outros agentes, para conjuntamente tomar as melhores decisões para o paciente. Apesar das recomendações do CDC para envolver enfermeiras como membros dos programas de administração de antibióticos de hospitais, esforços limitados foram feitos para envolvê-las e definir claramente seus papéis no processo de decisão e administração de antibióticos.

Fonte: https://www.ccih.med.br/empoderamento-de-enfermeiras-na-administracao-de-antibioticos-uma-analise-socioecologica-qualitativa/

Custos de infecções associadas à assistência médica pediátrica ambulatorial

As infecções relacionadas à assistência à saúde (healthcare associated infections – HAIs) ambulatorial ocorrem com frequência em crianças e estão associadas à morbidade, mortalidade e custos.

Fonte: https://www.ccih.med.br/custos-de-infeccoes-associadas-a-assistencia-medica-pediatrica-ambulatorial/

Baixas taxas de vacinação contra influenza entre profissionais de saúde: distinguindo barreiras entre grupos ocupacionais.

A vacinação tem sido amplamente promovida como a melhor medida preventiva disponível contra a gripe sazonal. Apesar dos grandes esforços de sistemas federais de saúde pública e organizações globais para aumentar disponibilidade e aceitação da vacinação, as taxas de imunização para influenza sazonal ficam aquém do esperado em muitos países e aumentar as taxas de vacinação entre os profissionais de saúde permanece um desafio global.

Fonte: https://www.ccih.med.br/baixas-taxas-de-vacinacao-contra-influenza-entre-profissionais-de-saude-distinguindo-barreiras-entre-grupos-ocupacionais/

Elaborado por Laura Czekster Anthochevis

Contatos: laura_czeats@hotmail.com ou http://linkedin.com/in/laura-czekster-antochevis-457603104


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.