Inscreva-se já.

A semana passada realizamos um plantão com nossos alunos para tirar dúvidas sobre CME com nossa professora Kazuko, que foi um absoluto sucesso. Esta atividade será semanal substituindo o programa ReVisão que era apresentado as sextas-feiras. Assim damos oportunidade para vocês reverem o programa que quiseram de nossas playlists com aproximadamente 150 discussões sobre CCIH, CME, segurança do paciente, pandemia e gestão de serviços de saúde. Neste boletim as mais recentes novidades, destacando artigo do CDC sobre variantes do coronavírus.

Programação da TV CCIH de 8 a 11 de fevereiro

A partir deixamos as sextas feiras para que vocês escolham em nosso canal qual programa querem assistir. Esta atividade foi substituída pelo plantão MBA, que é aos sábados das 9 as 12, mas é exclusivo a alunos e ex-alunos do nosso curso. Veja a programação desta que é aberta a todos. Se inscrevam em nosso canal para facilitar acesso a todas nossas transmissões. Os demais programas começam sempre as 20 horas.

  • Dia 08/02. Encontro com professores. Planejamento estratégico
    • Conversamos com as professoras Eliane Molina e Kazuko Graziano sobre como desenvolver um planejamento estratégico em setores de um hospital, particularmente no CME.
    • https://youtu.be/TKH3HAliwc0
  • Dia 09/02. SuperAção. E agora?
    • Recebemos o renomado administrador, organizador da ANVISA, Gonzalo Vecina. O Brasil tem uma respeitável rede de imunização, mas será que o contexto sócio-político aliado as necessidades relacionadas à pandemia darão uma resposta satisfatória a esta crise? Nosso entrevistado falará sobre estas e outras questões a ver com nosso futuro.
    • https://youtu.be/rGAG4Nur0-0
  • Dia 10/02. Encontro com professores. Evidências científicas
    • Conversamos com os professores Antonio Tadeu e Filipe Prohaska sobre como identificar o grau de evidência científica de uma publicação e como ela pode nos ajudar na prática profissional, dando respaldo científico às nossas condutas.
    • https://youtu.be/sQdn1WzjtXo
  • Dia 11/02. SuperAção. Avanços no tratamento COVID
    • Recebemos nosso professor infectologista Filipe Prohaska que desde o início da pandemia atende pacientes Covid na UFPe, para nos contar sobre como conduzir o tratamento dos pacientes e se existem novas possibilidades terapêuticas em nosso horizonte.
    • https://youtu.be/qfbgrCqCaKI

ANVISA avaliará proposta de vacinas do Covax Facility

A Diretoria Colegiada da Anvisa (Dicol) vai analisar, na próxima terça-feira (9/2), uma proposta de resolução referente às vacinas adquiridas pelo Ministério da Saúde (MS) no âmbito do Instrumento de Acesso Global de Vacinas Covid-19, o chamado Covax Facility. A avaliação no âmbito do Covax visa garantir o fornecimento de vacinas com qualidade, segurança e eficácia

A proposta de regulamentação prevê a isenção de registro sanitário ou de autorização temporária de uso emergencial, uma vez que o processo de aprovação dessas vacinas é liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e conta com a participação de especialistas da Anvisa. Além disso, de acordo com a Lei 9.782/99, a Agência pode dispensar de registro os imunobiológicos, inseticidas, medicamentos e outros insumos estratégicos quando adquiridos por intermédio de organismos multilaterais internacionais, para uso em programas de saúde pública pelo MS.

O ato normativo deverá estabelecer os procedimentos referentes à importação e ao monitoramento desses imunizantes.

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/conheca-proposta-de-resolucao-para-vacinas-do-covax-facility

Nota Anvisa: Publicação de artigo na revista The Lancet sobre a vacina Sputnik

O laboratório União Química informou à Agência que a vacina que pretende trazer para uso emergencial terá o mesmo padrão de temperatura e conservação da desenvolvida na Rússia e que teve dados publicados na revista The Lancet.

Na nota abaixo, a Anvisa se pronuncia sobre a publicação da revista The Lancet e apresenta de forma resumida alguns pontos observados na análise das informações fornecidas até o momento pela União Química, destacando as providências que cabem ao laboratório no processo de análise da vacina Sputnik pela agência reguladora brasileira.

NOTA

A publicação de um estudo clínico em revista científica de referência é uma boa notícia. Entretanto, para se concluir sobre a eficácia e a segurança da vacina, a autoridade reguladora precisa ter acesso aos dados completos gerados nos estudos não clínicos e clínicos fases I, II e III.

Importante ressaltar que a temperatura recomendada para armazenamento da vacina Sputnik V na forma líquida é não superior a -18ºC, como mencionado no referido artigo.

Novos estudos deverão ser realizados caso haja interesse por parte do fabricante nacional em alterar as recomendações sobre a temperatura de armazenamento da vacina no Brasil.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) ressalta que os países que estão introduzindo vacinas para usar devem garantir que “as vacinas atendam a rigorosos padrões internacionais de segurança, eficácia e qualidade, e para acelerar a prontidão para a implantação.” (27th WHO Regulatory Update on COVID-19, 24 January 2021).

Quanto ao status do processo de solicitação de anuência para a condução dos estudos clínicos fase III no Brasil, que é um dos pré-requisitos para se pleitear a autorização de uso emergencial da vacina no país, o processo que analisa a vacina Sputnik continua aguardando o cumprimento de exigências técnicas pela empresa.

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/nota-anvisa-publicacao-de-artigo-na-revista-the-lancet-sobre-a-vacina-sputnik

Plano de monitoramento de eventos adversos é tema de reunião

A Anvisa apresentou, em reunião realizada nesta terça-feira (2/2), o Plano de Monitoramento de Eventos Adversos de Medicamentos e Vacinas Pós-Autorização de Uso Emergencial: Diretrizes e Estratégias de Farmacovigilância para o Enfrentamento da Covid-19. Além de representantes da Anvisa, participaram do encontro representantes do Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) do Brasil e de Washington (EUA) e do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde.

Na ocasião, foram discutidas questões relativas à integração dos sistemas de informação regionais e à realização de estudos pós-uso da vacina. Além disso, os participantes foram esclarecidos quanto aos sistemas disponíveis para notificação dos eventos adversos pós-vacinação no Brasil: VigiMed (Anvisa) e e-SUS Notifica (Ministério da Saúde).

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/plano-de-monitoramento-de-eventos-adversos-e-tema-de-reuniao

Anvisa publica o 14º Boletim de Farmacovigilância

Já está disponível para consulta o 14º Boletim de Farmacovigilância. Essa nova edição apresenta uma revisão sistemática da literatura para identificação de estudos publicados com diferentes medicamentos que têm sido utilizados para tratamento ou profilaxia da Covid-19, além de uma avaliação dos eventos adversos que ocorreram durante esses estudos.

Vários medicamentos têm sido investigados para uso nos casos de Covid-19 com base no chamado “benefício potencial”, ou seja, sem comprovação de eficácia. O setor de Farmacovigilância da Anvisa considerou importantes a verificação e a divulgação dos eventos adversos que têm sido reportados nos estudos já publicados na literatura científica.

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/anvisa-publica-o-14o-boletim-de-farmacovigilancia-acesse

Esclareça suas dúvidas sobre as regras para ingresso no Brasil

A pandemia de Covid-19 permanece com um cenário epidemiológico de grande impacto na saúde da população e no sistema de saúde do Brasil, não sendo ainda oportuno recuar nas medidas de controle de disseminação do vírus.

Por isso, a Anvisa recomenda que as viagens não essenciais sejam adiadas, pois a medida de proteção mais eficaz, nesse momento, é evitar a exposição ao novo coronavírus (Sars-CoV-2), realizando o isolamento social.

Em casos de viagens essenciais ou urgentes, é importante que o viajante procure informações junto à companhia aérea, à embaixada, ao consulado e às autoridades de saúde locais, para verificar se o país de destino possui restrições e saber as condições que possibilitem o retorno ao Brasil.

Nesse contexto, a Portaria Interministerial nº 652, de 25 de janeiro de 2021, traz as condições exigidas para viajantes, brasileiros ou estrangeiros, que desejem ou necessitem desembarcar em aeroportos brasileiros. Entre elas, destaca-se a necessidade de apresentação do comprovante de preenchimento da Declaração de Saúde do Viajante (DSV) e do teste RT-PCR com resultado negativo ou não reagente para Covid-19.

A Anvisa preparou uma lista com as principais perguntas e respostas sobre o conteúdo da Portaria, principalmente acerca da exigência da Declaração de Saúde do Viajante (DSV) e do teste RT-PCR negativo para Covid-19. Confira no link abaixo!

Fonte: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/esclareca-suas-duvidas-sobre-as-novas-regras-para-ingresso-no-brasil

COVAX publica primeira previsão de distribuição de vacinas

Nós, da Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias (CEPI), a Gavi, a Vaccine Alliance e a Organização Mundial da Saúde (OMS), como colíderes do mecanismo COVAX para o acesso global equitativo às vacinas contra a COVID-19, juntamente com seu parceiro-chave de entrega chave, o UNICEF, temos o prazer de publicar a primeira previsão de distribuição provisória do COVAX.

Com base na publicação da previsão de abastecimento global e regional do COVAX para 2021, a previsão de distribuição provisória fornece informações sobre a disponibilidade antecipada projetada de doses da vacina Pfizer/BioNTech no primeiro trimestre de 2021 e da vacina candidata AstraZeneca/Oxford no primeiro semestre deste ano para participantes do mecanismo COVAX. O anúncio ocorre menos de duas semanas após o anúncio do acordo de compra antecipada assinado com a Pfizer/BioNTech e um pouco mais de um mês após a primeira vacina contra a COVID-19 ter recebido a aprovação da OMS na UE.

O objetivo de compartilhar a distribuição provisória com os países, mesmo no ambiente de abastecimento global altamente dinâmico de hoje, é fornecer aos governos e aos sistemas de saúde as informações de que precisam para planejar seus programas nacionais de vacinação. As alocações finais serão publicadas oportunamente.

A previsão de distribuição provisória descreve a entrega projetada de doses de vacina a todos os participantes do mecanismo, com exceção dos participantes que exerceram seus direitos de opt-out, não enviaram solicitações de vacina ou ainda não receberam doses alocadas.

Fonte: https://www.paho.org/pt/noticias/3-2-2021-covax-publica-primeira-previsao-distribuicao-vacinas

Diretora da OPAS alerta que danos causados pela COVID-19 afetam desproporcionalmente mulheres

Diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, alertou nesta quarta-feira (3) que os efeitos sociais, econômicos e de saúde da COVID-19 estão afetando desproporcionalmente as mulheres e pediu maior atenção às disparidades de gênero acentuadas durante a pandemia.

Embora os homens tivessem maior probabilidade de adoecer com a COVID-19 no início da pandemia, essas tendências estão se revertendo, declarou Etienne. Agora, as mulheres têm a mesma probabilidade de desenvolver a doença e são mais vulneráveis em muitas outras frentes.

“As mulheres, que representam 70% dos profissionais de saúde do mundo, enfrentaram um enorme risco pessoal para cuidar de pacientes com COVID-19, mesmo quando tinham pouco equipamento de proteção à sua disposição”, pontuou a diretora da OPAS.

Até o momento, mais de um milhão de profissionais de saúde nas Américas contraíram a COVID-19 e 4 mil profissionais de saúde, a maioria deles mulheres, morreram.

Fonte: https://www.paho.org/pt/noticias/3-2-2021-diretora-da-opas-alerta-que-danos-causados-pela-covid-19-afetam

OPAS doa cilindros de oxigênio, oxímetros, termômetros e testes de diagnóstico de COVID-19 para estado do Amazonas e município de Manaus

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) doou 4.600 oxímetros, na semana passada, para a Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas e para a Secretaria Municipal de Saúde de Manaus. Esses equipamentos ajudam a monitorar as condições de saúde de pacientes com COVID-19.

A OPAS também já enviou 45 cilindros de oxigênio para abastecer estabelecimentos de saúde do estado e 1.500 termômetros para checagem de temperatura de pacientes.

O organismo internacional garantiu ainda a entrega de 60 mil testes rápidos baseados em antígenos, para apoiar o diagnóstico de casos da doença. A OPAS tem doado esses insumos para diversos países da região das Américas com o objetivo de facilitar a identificação de pessoas infectadas pela COVID-19, mesmo em comunidades remotas.

Fonte: https://www.paho.org/pt/noticias/1-2-2021-opas-doa-cilindros-oxigenio-oximetros-termometros-e-testes-diagnostico-covid-19

CDC: novas variantes do vírus que causa COVID-19

Os vírus mudam constantemente por meio de mutações, e novas variantes de um vírus devem ocorrer com o tempo. Às vezes, novas variantes surgem e desaparecem. Outras vezes, novas variantes surgem e persistem. Variantes múltiplas do vírus que causa COVID-19 foram documentadas nos Estados Unidos e globalmente durante esta pandemia.

Múltiplas variantes do vírus que causa COVID-19 estão circulando globalmente:

  • O Reino Unido identificou uma variante chamada B.1.1.7 com um grande número de mutações no outono de 2020. Essa variante se espalha mais fácil e rapidamente do que outras variantes. Em janeiro de 2021, especialistas no Reino Unido relataram que essa variante pode estar associada a um risco aumentado de morte em comparação com outras variantes do vírus, mas mais estudos são necessários para confirmar esse achado. Desde então, foi detectado em muitos países ao redor do mundo. Essa variante foi detectada pela primeira vez nos EUA no final de dezembro de 2020.
  • Na África do Sul, outra variante chamada B.1.351 surgiu independentemente de B.1.1.7. Detectado originalmente no início de outubro de 2020, B.1.351 compartilha algumas mutações com B.1.1.7. Casos causados ​​por essa variante foram relatados nos EUA no final de janeiro de 2021.
  • No Brasil, surgiu uma variante chamada P.1 que foi identificada pela primeira vez em viajantes do Brasil, que foram testados durante triagem de rotina em um aeroporto do Japão, no início de janeiro. Esta variante contém um conjunto de mutações adicionais que podem afetar sua capacidade de ser reconhecida por anticorpos. Essa variante foi detectada pela primeira vez nos EUA no final de janeiro de 2021.

Essas variantes parecem se espalhar mais fácil e rapidamente do que outras variantes, o que pode levar a mais casos de COVID-19. Um aumento no número de casos colocará mais pressão sobre os recursos de saúde, levará a mais hospitalizações e, potencialmente, mais mortes.

Até agora, estudos sugerem que os anticorpos gerados por vacinação com vacinas atualmente autorizadas reconhecem essas variantes. Isso está sendo investigado de perto e mais estudos estão em andamento.

O cumprimento rigoroso e crescente das estratégias de mitigação de saúde pública, como vacinação, distanciamento físico, uso de máscaras, higienização das mãos e isolamento e quarentena, é essencial para limitar a disseminação do vírus que causa COVID-19 e proteger a saúde pública.

Fonte: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/transmission/variant.html

OMS: novos vídeos explicam como prevenir a infecção por COVID-19 em serviços de saúde bucal

Dado que os profissionais de saúde bucal trabalham em contato próximo com seus pacientes e são expostos à saliva, sangue e outros fluidos corporais, é particularmente importante que os procedimentos sejam implementados e rigorosamente cumpridos, a fim de se protegerem e aos seus pacientes contra infecção com COVID-19 durante a pandemia atual e além.

Um conjunto de três curtas-metragens de animação, lançado hoje, descreve os procedimentos recomendados pela OMS para triagem, triagem e recepção de pessoas que procuram atendimento de saúde bucal; medidas que devem ser implementadas para proteger os pacientes e funcionários durante o tratamento; e procedimentos de limpeza, desinfecção e esterilização a serem aplicados a superfícies, equipamentos e instrumentos em instalações de saúde bucal.

Confira no link abaixo:

https://www.who.int/news/item/29-01-2021-new-videos-explain-how-to-prevent-covid-19-infection-in-oral-health-care-services

Atualizando a estratégia global da OMS para a malária

Representantes de países afetados pela malária e organizações parceiras reuniram-se em 28 de janeiro em um fórum virtual da OMS para compartilhar feedback e perspectivas sobre a estratégia técnica global para a malária 2016-2030. As contribuições de um grupo diversificado de partes interessadas serão refletidas em uma estratégia atualizada, que será publicada em junho de 2021.

A estratégia de 15 anos da OMS – adotada pela Assembleia Mundial da Saúde em maio de 2015 – foi projetada para orientar e apoiar todos os países que trabalham para controlar e eliminar a malária. Ele define 4 metas globais para 2030, bem como marcos intermediários para monitorar o progresso (consulte a tabela abaixo).

Conforme relatado na edição mais recente do Relatório Mundial da malária, o progresso em direção a 2 dos marcos da estratégia para 2020 está fora do curso: reduzir as taxas de mortalidade global e a incidência de casos em pelo menos 40%. Os 2 outros marcos focados na eliminação em nível de país e prevenção do restabelecimento da malária provavelmente serão alcançados.

Fonte: https://www.who.int/news/item/01-02-2021-updating-who-s-global-strategy-for-malaria

Elaborado por Laura Czekster Anthochevis

Contatos: [email protected]      ou                                                                http://linkedin.com/in/laura-czekster-antochevis-457603104

TAGs: planejamento estratégico, CME, políticas de saúde, vacinação, ANVISA, Ministério de Saúde, pandemia, evidências científicas, tratamento, Covid, Covax Facility, sputinik V, eventos adversos, farmacovigilância, viagens, OPAS, oxigênio, Amazonas, variantes, CDC, saúde bucal, risco biológico, saúde ocupacional, malária.



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH, CME e EQS