Inscreva-se já.

De acordo com órgãos de vigilância norte-americanos, em qualquer período, um em cada 25 pacientes internados desenvolve uma infecção relacionada a assistência à saúde (Healthcare Associated Infection – HAI). O estudo teve como objetivo comparar a influência de feedbacks sobre HH a nível de time e de performance individual.

Qual a justificativa do estudo?

De acordo com órgãos de vigilância norte-americanos, em qualquer período, um em cada 25 pacientes internados desenvolve uma infecção relacionada a assistência à saúde (Healthcare Associated Infection – HAI). Sendo que HAIs são uma das principais causas de mortalidade nos EUA é fundamental encontrar estratégias para diminuir os números desse fenômeno. É fato documentado que as práticas de higiene das mãos (hand hygiene – HH) reduzem a incidência de tais infecções contudo a aderência as práticas de HH continuam a ser um desafio para os profissionais de saúde.

Qual o objetivo do estudo?

O estudo teve como objetivo comparar a influência de feedbacks sobre HH a nível de time e de performance individual. Os pesquisadores adotaram uma estrutura comportamental estruturada em torno da teoria social cognitiva de Albert Bandura para determinar qual método de feedback – público ou privado – influenciaria a aderência as práticas de HH na organização de estudo.

Qual metodologia foi empregada?

A teoria social cognitiva baseia-se no fundamento de que existem influências constantes e mutáveis exercidas entre os fatores pessoais, os fatores ambientais e o comportamento. O estudo comparou a aderência as práticas de HH em 2 unidades de saúde – uma com feedbacks individuais e a outra com feedbacks públicos – com base em dados coletados por um sistema de identificação por radiofrequência (radiofrequency identification device – RFID).

O grupo com feedback privado recebeu os resultados de performance individual e de time por meio de mensagem privada; já o grupo com feedback publico teve os mesmos resultados disponibilizados em local publico da unidade.

O estudo foi dividido em 3 fases: normalização – para reduzir a possibilidade das práticas de HH serem influenciadas pela novidade de ter o comportamento monitorado; resultados de time – feedback dos progressos e resultados do time; resultados individuais – foi adicionado o feedback dos progressos e resultados individuais.

Ao final da coleta de dados foi realizada uma análise temporal comparando a aderência as práticas de HH por função do profissional de saúde e mecanismo de feedback utilizado.

Quais os principais resultados?

Um total de 112 profissionais de saúde participaram do estudo; sendo registradas 145.308 oportunidades de higiene das mãos.

O grupo de feedback privado partiu com uma aderência base de 48.6%. Durante a fase de feedback de time a aderência caiu para 42.7%. Durante a fase de feedback individual a aderência aumentou para 55.44%.

O grupo de feedback publico partiu com uma aderência base de 39.37%. Durante a fase de feedback de time a aderência aumentou para 42.5%. Durante a fase de feedback individual a aderência aumentou para 63.39%.

Quais as conclusões e recomendações finais?

O método do feedback individual mostrou-se mais eficaz tanto no grupo privado (aumento de aderência de 29.6% em relação ao ponto inicial) quanto no público (aumento de aderência de 55.29% em relação ao ponto inicial). O feedback de performance individual em modo publico mostrou-se o mais eficiente para aumentar a aderência a práticas de HH.

Os autores ressaltam que a utilização de tecnologias RFID podem ser uma ferramenta útil para instituições meditem a aderência as práticas de HH e, consequentemente, encontrar soluções para aumentar a aderência de forma a diminuir as taxas de HAIs.

Quais as limitações do estudo?

As principais limitações do estudo foram: curta duração – apenas 6 semanas – de modo a impossibilitar a compreensão do impacto ao longo do tempo; foram analisadas apenas 2 unidades de saúde tornando a generalização dos resultados problemática.

Que críticas e observações?

Os pesquisadores aliaram a utilização de uma tecnologia relativamente nova a teorias comportamentais e obtiveram resultados interessantes. Este estudo elucida como novas tecnologias podem ser aliadas no combate as infecções; curiosamente mostra também como a implementação apenas de uma tecnologia não é suficiente para obter uma mudança comportamental eficaz.

Este estudo gera um ponto de reflexão muito importante; o período em que vivemos possui tecnologias diversas, capazes de coletar dados como jamais imaginado no passado contudo é fundamental refletir sobre a utilização desses dados. Uma base de dados gigantesca não tem valor nenhum se os dados não forem estudados de maneira profunda, de modo a extrapolar informações que sejam realmente uteis na vida dos pacientes e na qualidade de cuidados de saúde.

Fonte: Fish L, Bopp D, Gregory D, Kerley KD, Gakhar S, Lavigne MC, Boyd F. Hand hygiene feedback impacts compliance. Am J Infect Control. 2021 Jul;49(7):907-911

Sinopse por: Maria Julia Ricci

Email: [email protected]

Linkedin: www.linkedin.com/in/mariajuliaricci

Instagram: @mariajuliaricci_

TAGs:



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express