Inscreva-se já.

No período atual, a importância da higiene adequada das mãos para reduzir a transmissão de doenças infecciosas tem se tornado um importante debate. O estudo teve como objetivo investigar a aceitabilidade e os motivadores de preferência para o uso de diferentes formulações hidroalcóolicas para higiene das mãos. Além disso. visa-se obter informações para o desenvolvimento de estratégias para melhorar a aderência com as práticas de higiene das mãos.

Qual a justificativa do estudo?

No período atual, a importância da higiene adequada das mãos para reduzir a transmissão de doenças infecciosas tem se tornado um importante debate. Práticas otimizadas de higiene das mãos têm mostrado significante capacidade de influenciar as taxas de transmissão de patógenos entre diferentes populações. Mesmo a importância da higiene das mãos sendo de amplo conhecimento, as taxas de aderência mantem-se relativamente baixas e é afetada por diversos fatores – como irritação da pele, falta de acesso a higienizante, falta de tempo – entre os quais a aceitabilidade das formulações dos produtos para higiene das mãos.

Qual o objetivo do estudo?

O estudo teve como objetivo investigar a aceitabilidade e os motivadores de preferência para o uso de diferentes formulações hidroalcóolicas para higiene das mãos (ABHS – alcohol based hand sanitizer). Além disso visa-se obter informações para o desenvolvimento de estratégias para melhorar a aderência com as práticas de higiene das mãos.

Qual metodologia foi empregada?

Foi realizado um estudo de avaliação de produto randomizado e cegado com base no “WHO Protocol for evaluation of Tolerability and Acceptability of Alcohol-based Handrub in Use or Planned to be Introduces: Method 1” (“Protocolo para avaliação de tolerabilidade e aceitabilidade de hidroalcóolicos para higiene das mãos em uso ou a serem implementados da OMS”) durante 1 mês. Foram testadas 3 formulações diferentes (liquida, espuma e gel) de higienizante da mesma marca por 54 participantes, que utilizaram os produtos com as mãos limpas e olhos fechados. Após as aplicações os participantes preencheram um pequeno questionário com suas opiniões e preferencias.

Quais os principais resultados?

Os respondentes foram em total 54, com idades entre 22 e 71 anos, sendo 39 mulheres (72%) e 15 homens (28%). Entre os participantes 41% eram profissionais de saúde humana.

A maioria dos respondentes (76%) indicou que a formulação do produto impacta o próprio nível de aderência aos protocolos de higiene das mãos. A formulação preferida foi a liquida, com 50% dos participantes tendo elencado como primeira escolha. A satisfação geral com o produto, textura, velocidade de secagem e facilidade de aplicação, foram fatores estatisticamente significantes que influenciaram a ordem de preferência dos participantes.

Quais as conclusões e recomendações finais?

Os autores concluem ressaltando a importância de compreender os motivadores para a preferência de uma certa formulação, já que podem aumentar a aceitabilidade e a aderência as práticas de higiene das mãos. Sugerem que esses fatores sejam levados em consideração tanto durante a elaboração de formulações destes produtos quanto na implementação de novos protocolos de higiene de mãos.

Quais as limitações do estudo?

Os autores citam algumas limitações do estudo. A limitação principal foi a realização de um único momento de avaliação das formulações, principalmente considerando que a higiene das mãos é um ato repetitivo. Além disso, o volume de produto utilizado pode ter causado um viés nas respostas.

Que críticas e observações?

A higiene das mãos é um assunto recorrente e importante dentro das práticas de controle e prevenção de infecções. O estudo traz informações interessantes sobre o assunto, porém é importante ressaltar que a aderência a higiene das mãos tende a ser resultado de múltiplas variáveis – como por exemplo disponibilidade, cultura empresarial, feedback, etc. A tipologia de produto utilizado deve sim ser levado em consideração, mas é sempre importante analisar a questão da higiene das mãos com consciência de sua complexidade.

Ressalto ainda que o estudo foi parcialmente financiado e realizado principalmente em parceria com a Escola de Ciencias Veterinarias da Universidade de Sidney.

Fonte: Verwilghen D, Osiak K, Shaw AD, Averay K, Kampf G, van Galen G. Identifying drivers for user preference and acceptability of different hydro-alcoholic hand rub formulations. J Hosp Infect. 2021 Nov;117:17-22

Sinopse por: Maria Julia Ricci

E-mail: [email protected]

Linkedin: www.linkedin.com/in/mariajuliaricci

Instagram: @mariajuliaricci_



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH, CME e EQS