WESTPORT, CT (Reuters Health) Jan 11 – O uso de lubrificante, sem obedecer as barreiras de controle de infecção, utilizado durante o ultrassom foi o responsável pelo aparecimento de um surto de Staphylococcus aureus meticilino-sensível em uma maternidade.

Dr. Klaus Weist e colaboradores, da Universidade Livre de Berlim, compararam os 10 pacientes que tiveram piodermite por S. aureus com 31 recém-nascidos no mesmo hospital, sem esta doença ou mesmo colonização por S. aureus. Eles observaram que em todos os pacientes com piodermite, os sintomas começaram 2 a 5 dias depois da ultrassonografia da articulação, um procedimento rotineiro na Alemanha.

A sala de ultrassonografia foi o único local no hospital em que todos os 10 pacientes com piodermite estiveram expostos. O grupo de Weist observou que a espátula utilizada para aplicação do gel de ultrassonografia era reutilizada, ao contrário da política de controle de infecção do hospital. Foram realizadas culturas da espátula e do gel, sendo identificado S. aureus.

Métodos de biologia molecular comprovaram que as cepas isoladas nos recém-nascidos e no gel eram indistinguíveis. Assim, a equipe do Dr. Weist concluiu que este foi o primeiro relato de um surto de piodermite entre neonatos, associado com gel de ultra-som.

Eles reforçaram a importância de não se descuidar das recomendações do controle de infecção e destacaram o papel dos métodos de biologia molecular para identificar surtos por espécies com diversidade genética considerável, como é o caso dos bacilos Gram negativos ou dos Staphylococcus.

 

Fonte: Infect Control Hosp Epidemiol 2000;21:761-764.

Resumido por: Antonio Tadeu Fernandes em 2001

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.