O objetivo deste estudo foi verificar o perfil de sensibilidade aos antimicrobianos da Pseudomonas aeruginosa isolada no laboratório de microbiologia do Hospital Regional de Araruama (H.R.A.), no período de março de 2004 a dezembro de 2006. As amostras de Pseudomonas aeruginosa do estudo, foram, em sua maioria, processadas e identificadas pelo sistema manual utilizando o processo em placa de Petri com meio agár sangue e provas bioquímicas (teste da oxidase), sendo as restantes processadas pelo sistema automatizado Vitek.

Os testes de sensibilidade antimicrobiana foram realizados pelo sistema de antibiograma em placa utilizando discos de antimicrobianos (técnica de Kirby Bauer) e pelo sistema automatizado Vitek. Foram isoladas 111 amostras. Das amostras estudadas, as maiores taxas de sensibilidade obtidas foram em relação ao imipenem-cilastina (81,4%), a amicacina (69%) e a piperacilina + tazobactam (68,9%), enquanto as menores taxas de sensibilidade foram obtidas em relação à ceftaxima (17,0%), ceftriaxone (17.1%), e a ceftazidima (39,0%). Outro aspecto do estudo foi demonstrar a variação das taxas de sensibilidade da Pseudomonas aeruginosa ao ano, as quais demonstraram uma redução global frente a todos os antimicrobianos testados.

As maiores reduções foram notadas em relação ao cefepime (de 66.7% em 2004 para 19.4% em 2006), aztreonam, (de 66,7% em 2004 para 20,0% em 2006) e ceftazidima (de 62.5% em 2004 para 20,0% em 2006). O conhecimento do perfil de sensibilidade da Pseudomonas aeruginosa, em nosso hospital, propiciará uma utilização mais racional dos antimicrobianos, minimização do fenômeno da multirresistência, redução dos custos e um melhor êxito no tratamento das infecções causadas por este microorganismo.

Autor: LUIZ OCTÁVIO DIAS D’ALMEIDA

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.