Autores da Universidade de Tóquio estudaram a contaminação microbiana em 140 fórcepes utilizados em laparotomia por pesquisa de ATP e cultura pelo método da membrana de filtro.

Os procedimentos cirúrgicos foram: gastrectomia 7; colectomia 6; hepatectomia 6; reparação de aneurisma de aorta abdominal 3 e pancreatoduodenectomia 2. A duração das cirurgias foi: < 4 horas 8; 4 a 8 horas 12; > 12 horas 4. Foi detectada contaminação em 31% dos fórcepes examinados com 66 cepas isoladas. O predomínio foi dos cocos Gram positivos com 53 cepas, sendo 41 do gênero Staphylococcus. Foi identificado um instrumental contaminado com Candida sp. e outro com Stenotrophomonas maltophilia. As grandes limitações deste artigo foram: a pequena amostragem, o não seguimento dos pacientes e não correlação desta contaminação com casos de infecção. Entretanto, ele levanta a necessidade de estudos melhor desenhados para definir a importância da contaminação do instrumental cirúrgico durante as cirurgias.

Fonte: American Journal Infection Control: 42 (2014): 43-47.

Comentado por Antonio Tadeu Fernandes para CCIH Cursos de Controle de Infecção (CCIH REVISTA)


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.