Colegas do Hospital Geral Regional de Leon no México realizaram a cultura de 112 estetoscópios pela impressão direta de seu diafragma em ágar sangue e 106 deles tiveram pelo menos 1 UFC.

Destes, 58 mostraram apenas contaminantes da pele, porém em 48 foram identificados patógenos potenciais. Dos microrganismos isolados destacaram-se: S. aureus (43, sendo 18 MRSA); Enterococcus feacalis 4; Klebsciella; Acinetobacter e Burkholderia, com 1 cada. Segundo os autores este resultado pode refletir a alta prevalência de MRSA na instituição e que os estetoscópios podem participar como fómites, ajudando explicar sua endemicidade. Os autores ressaltam que as culturas não devem ser realizadas rotineiramente, mas tiveram um papel educativo na orientação pela necessidade de regular desinfecção deste artigo.

Fonte: American Journal of Infection Control 42 (2014): 82-83.

Resenha realizada por Antonio Tadeu Fernandes para CCIH revista.


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.