Inscreva-se já.

O monitoramento da higiene das mãos é um desafio desde o início do controle de infecção. Este artigo aborda a possível contribuição de um sistema eletrônico desta avaliação e os resultados para a equipe de saúde.

Qual a importância da adesão à higienização das mãos nos serviços de saúde?

A adesão à higienização das mãos (HM) nos serviços de saúde é considerada uma prática altamente importante e eficaz para a segurança do paciente. Os “Meus cinco momentos para a higienização das mãos” da Organização Mundial da Saúde esclarecem quando e como os profissionais de saúde (PS) devem realizar a HM no atendimento ao paciente e têm tem sido amplamente adotada. No entanto, a adesão à HM entre os profissionais de saúde é um problema universal mesmo após a publicação da diretriz pela Organização Mundial da Saúde.

Como podemos aprimorar a avaliação a adesão à higienização das mãos?

Para avaliar a adesão à HM, a observação direta é considerada o padrão ouro, mas tem sido questionada nos últimos anos devido a diversas limitações, como o efeito Hawthorne (ocorre quando as pessoas se comportam de maneira diferente porque sabem que estão sendo observadas). Em decorrência disso e para promover uma forma mais objetiva de avaliação da HM, novas tecnologias, como os sistemas de monitoramento eletrônico (SME) com ou sem feedback digital e lembretes em tempo real, foram desenvolvidos. Essas tecnologias oferecem o potencial de monitorar eventos de HM 24 horas por dia, nos 7 dias da semana e com muito menos esforço do que por observações diretas. Elas têm atraído a atenção como uma alternativa para aumentar a adesão à HM e, em muitos casos, a pesquisa se concentrou nas taxas de adesão ao testar e usar diferentes sistemas de monitoramento eletrônico.

À medida que os sistemas de monitoramento eletrônico continuam a evoluir nos ambientes de assistência à saúde, pesquisas adicionais são necessárias a partir da opinião dos profissionais de saúde sobre a tecnologia utilizada para que o desenvolvimento dos produtos seja projetados para aumentar a adesão à HM.

Qual foi o objetivo do estudo?

O objetivo deste estudo foi explorar as experiências dos profissionais de saúde sobre os sistemas de monitoramento eletrônico para avaliar a adesão à HM, para adquirir uma nova visão sobre a forma como os profissionais de saúde encaram as inovações técnicas. 

Qual foi a metodologia de estudo empregada?

Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa baseada em uma metodologia do tipo teoria fundamentada em dados, que é útil quando se trata de adquirir uma visão de áreas novas e inexploradas, pois permite que os pesquisadores examinem o problema de diferentes ângulos.

Em outubro de 2018, um EMS (Tork Hand Hygiene Compliance Monitoring System, Essity AB Suécia) foi instalado em uma enfermaria cirúrgica de um hospital universitário terciário na Suécia, envolvendo enfermeiros registrados (RNs) e auxiliares de enfermagem (NAs). A implantação dos sistemas de monitoramento eletrônico foi iniciada e organizada conjuntamente pela enfermaria do hospital e pelo desenvolvedor do produto, sem qualquer envolvimento dos pesquisadores do presente estudo.

Antes da instalação do sistema de monitoramento eletrônico, a adesão à higienização das mãos era auditado manualmente na enfermaria por observação direta todos os meses desde 2014, como parte da garantia da qualidade hospitalar no atendimento ao paciente.

Os participantes do estudo foram as enfermeiras e auxiliares de enfermagem que prestavam assistência nas enfermarias aos pacientes e que estavam usando o sistema de monitoramento eletrônico por pelo menos 1 mês. Um total de 23 profissionais de saúde eram usuários do sistema de monitoramento eletrônico desde dezembro de 2019 e todos foram convidados a participar do estudo. Destes, 17 profissionais de saúde foram entrevistados.

As entrevistas foram realizadas individualmente, em duplas e em grupo, com base na escolha dos participantes. Foram realizadas entre dezembro de 2019 e novembro de 2020 pelo pesquisador principal. As entrevistas ocorreram de acordo com a conveniência dos participantes e todas as entrevistas foram realizadas em um turno de trabalho na enfermaria em uma sala silenciosa e sem perturbações.

Foi utilizado durante as entrevistas um roteiro, desenvolvido pela equipe de pesquisa, para abordar diferentes tópicos relacionados às experiências dos profissionais de saúde no manuseio e uso do sistema de monitoramento eletrônico. As entrevistas duraram entre 20 e 45 minutos.

Quais categorias foram analisadas na pesquisa qualitativa?

Três categorias interrelacionadas que refletem as experiências dos profissionais de saúde em usar e manusear o sistema de monitoramento eletrônico foram identificadas durante a análise, são elas: 1. ter confiança no sistema de monitoramento eletrônico, 2. funcionalidade e facilidade no uso do sistema de monitoramento eletrônico e 3. conhecimento sobre o próprio desempenho dos profissionais que usam o sistema de monitoramento eletrônico.

Ao mesclar essas 3 categorias no processo de análise, surgiu a seguinte categoria central; aprender a interagir com a nova tecnologia, definida como a principal estratégia na utilização do sistema de monitoramento eletrônico.

Quais foram as falas e conclusões a respeito da confiabilidade do sistema eletrônico?

Para os profissionais de saúde, ter confiança no sistema de monitoramento é importante durante o trabalho diário. No início do projeto, vários participantes estavam céticos em interagir com a nova tecnologia, questionando seu uso e função, mas isso mudou para uma opinião mais positiva ao longo do tempo. Certos fatores continuaram a ser discutidos ao longo do projeto; por exemplo, usar o sistema de monitoramento eletrônico exclusivamente para avaliar a frequência de higienização das mãos e não a qualidade da HM.

“Bem, avalia que apliquei o desinfetante, mas não a qualidade da aplicação.” (E. 5)

Apesar disso, muitos participantes destacaram a importância da coleta de dados sobre a HM realizada e o sistema de monitoramento eletrônico foi considerado mais confiável e consistente do que as observações diretas manuais, pois registra a HM durante todo o turno de trabalho. Qualquer preocupação com a precisão do sistema estava relacionada à preocupação de ser corretamente registrado e avaliado corretamente. Por exemplo, na enfermaria, as enfermeiras muitas vezes traziam um carrinho de remédios quando entregavam medicamentos aos pacientes e o dispensador para desinfecção das mãos nesse carrinho não estava incluído no sistema de monitoramento eletrônico. Isso fez com que os enfermeiros muitas vezes adaptassem seu comportamento para que pudessem ser registrados pelo sistema de monitoramento eletrônico.

“Você faz outra aplicação, mesmo sabendo que usou o desinfetante há pouco no carrinho. . . e então você vai para a enfermaria e aplica o desinfetante novamente, só por segurança.” (I.15).

Usar uma etiqueta todos os dias e ser monitorado não foi considerado perturbador ou incômodo para os participantes. Alguns participantes abordaram questões de privacidade, mas apenas se o sistema de monitoramento eletrônico fosse usado para outros fins que não a avaliação de HM.

“Uma coisa isso. . . não é negativo, mas pode ser negativo. . . se isso for usado para outra coisa. Ele sabe exatamente onde estou na enfermaria, há quanto tempo estou em um lugar e qual é esse lugar.” (I.4)

Quais foram as falas e conclusões a respeito da funcionalidade e facilidade do sistema eletrônico?

Muitos dos participantes sentiram que o sistema de monitoramento eletrônico deve funcionar de forma otimizada para atuar como um suporte no trabalho diário. Vários aspectos precisavam ser revistos e atendidos para alcançar uma tecnologia que funcione de forma otimizada; a vida útil da bateria dos dispensadores deve melhorar, a troca do recipiente para desinfecção das mãos nos dispensadores precisa ser mais fácil; a quantidade de desinfecção das mãos dada em cada aplicação é muito pequena e a velocidade dos dispensadores automáticos é muito lenta. Ao mesmo tempo, os dispensadores automáticos eram fáceis de usar, simplesmente porque não era necessário tocar no dispensador. Além disso, o sistema de monitoramento eletrônico deve estar disponível nos locais da enfermaria onde os profissionais de saúde precisam realizar HM. Caso contrário, a HM será vista como um procedimento extra correndo o risco de ser omitido.

“Mas, antes de tudo. . . Gostaria de dispensadores que nos permitissem fazer as coisas certas. . .” (I.12)

Além disto, o sistema de monitoramento eletrônico não deve ser outro equipamento que precise de cuidados e exija muita manutenção dos profissionais de saúde. Se a manutenção demorar mais, como trocar as baterias no dispensador, os profissionais da saúde não terão como prioridade.

“Mas é difícil ter que trocar as baterias depois de uma semana, temos muito mais a fazer. Não posso priorizar o dispensador ao desinfetante para as mãos ali,.” (I.6)

Quais foram as falas e conclusões a respeito do monitoramento de seu desempenho do sistema eletrônico?

O feedback funcionou como um lembrete e conscientizou os participantes para a realização da HM. O feedback do grupo foi percebido como bom e útil, mas o feedback individual foi considerado ainda melhor. O feedback individual aborda apenas o indivíduo, oferecendo a você a oportunidade de estudar suas próprias melhorias ou falhas, enquanto resultados ruins eram difíceis de relacionar com seu próprio desempenho.

“Quando foi realizado de forma individual, acho que foi quando as coisas começaram a acontecer e as coisas também ficaram mais positivas. Caso contrário, acho que foi mais abrangente, quando nos deram os dados, você pensa… Ficou muito claro que ‘isso não se aplica a mim, aquele resultado baixo’. . .” (I.5)

O feedback foi animador e confirmador, principalmente quando os resultados foram positivos. Os resultados foram de fácil interpretação e compreensão, confirmando que os participantes realizaram a HM quando deveriam. Em caso de resultado menos positivo, o sistema de monitoramento eletrônico foi questionado e outros fatores que podem ter afetado o resultado foram examinados. Foi um dia estressante? Onde eu realizei a maior parte do meu trabalho hoje e o sistema de monitoramento eletrônico estava instalado lá? Onde o sistema de monitoramento eletrônico falhou ao se registrar e o que eu poderia ter feito para permitir que o sistema de monitoramento eletrônico se registrasse corretamente? O feedback aumentou a conscientização e os participantes refletiram sobre suas próprias ações.

“Quando você obtém dados relacionados à forma como desinfeta as mãos, isso também pode torná-lo mais consciente. . . e você talvez comece a se perguntar ‘quando eu não uso o desinfetante para as mãos?’” (I.12)

O feedback criou um instinto competitivo. Os participantes queriam melhorar e se moldar e permanecer em um alto nível nas estatísticas. Eles se compararam consigo mesmos, mas também com o resto do grupo. Os participantes sentiram que eram bons no desempenho de higienização das mãos antes da implementação do projeto, mas o sistema de monitoramento eletrônico os tornou ainda melhores.

Em várias ocasiões, os participantes falaram sobre fazer as coisas corretamente. Tomar consciência do próprio desempenho da higiene das mãos aumentou a sensação de fazer as coisas corretamente.

“Desde que você saiba o que está fazendo, sabe quando e onde precisa aplicar o desinfetante para as mãos. Você fez as coisas corretamente e tenta fazer as coisas corretamente.” (I.15)

O que pode fazer diferença na implantação e uso desse sistema de monitoramento?

Estar envolvido no uso e gerenciamento de uma inovação tecnológica para avaliar a adesão à HM na atenção à saúde é um processo de formulação de estratégias para aprender a interagir com a nova tecnologia. A estratégia é realizada pelos pensamentos e ações dos participantes que se resumem em 3 grandes aspectos: ter confiança no sistema de monitoramento, solicitar funcionalidade e facilidade de uso do sistema e tomar consciência de seu próprio desempenho.

Esses aspectos são condições que precisam ser preenchidas ao aprender a interagir com as novas tecnologias. Além disso, aprender a interagir com as novas tecnologias não podem ser vistos de forma separada, pois estes 3 aspectos se inter-relacionam e afetam uns aos outros.

Quais foram as principais conclusões e recomendações dos autores?

Aprender a interagir com as novas tecnologias é uma estratégia importante para os profissionais da área da saúde, principalmente para experimentar e usar uma inovação tecnológica para avaliar HM em ambientes clínicos.

Para poder implementar esta estratégia com sucesso, são necessárias condições estabelecidas pelos profissionais de saúde, como ter confiança no sistema de monitoramento, solicitar a funcionalidade do sistema e facilidade de uso e conhecer o próprio desempenho.

Uma tecnologia que funcione bem é um pré-requisito para uma inovação a ser usada em ambientes clínicos. O feedback digital aumenta a conscientização sobre a HM e o feedback individual é preferido pelos profissionais de saúde quando se trata de melhorar seus resultados individuais. A importância de convidar profissionais de saúde para ajudar no co-design de inovações técnicas deve acontecer, pois cria uma confiança por parte destes profissionais na inovação a ser utilizada, além de confiança no processo de aprender a usá-la.

Os resultados deste estudo podem ser usados ​​no planejamento e lançamento da implementação de inovações técnicas em ambientes de saúde.

Segundo os autores quais as limitações do estudo e qual nossa opinião?

Embora este estudo tenha pontos fortes em seus achados, reconhecemos que existem limitações. Primeiro, este estudo foi realizado em uma única enfermaria cirúrgica e a equipe de pesquisa não esteve envolvida na implementação do sistema de monitoramento eletrônico na enfermaria. Isso foi feito pelo desenvolvedor do produto e pelo hospital antes do início do estudo, sem qualquer envolvimento do grupo de pesquisa.

Em estudos futuros, outras profissionais devem ser envolvidas ao experimentar e testar o sistema de monitoramento eletrônico, pois várias profissões estão envolvidas no atendimento ao paciente e, portanto, são potenciais usuários do sistema de monitoramento eletrônico. Em segundo lugar, devido à pandemia de Covid-19 em curso, todas as entrevistas não puderam ser realizadas presencialmente, tendo que ocorrer por telefone. Isso pode ter afetado o resultado. Além disto, o impacto do Covid-19 na conscientização geral da HM entre os participantes não pode ser excluído.

Na nossa opinião as limitações deste estudo se relacionam com a das pesquisas qualitativas em geral no quesito validade externa, mas elas são a melhor ferramenta para entender o comportamento das pessoas e os resultados seguem um padrão que pode ser avaliado em outros cenários assistenciais. Um aspecto a se considerar é se houve interferência do desenvolvedor do produto no desenho do estudo e nas suas conclusões.

Fonte: Granqvist K, Ahlstrom L, Karlsson J, Lytsy B, Andersson AE. Learning to interact with new technology: Health care workers’ experiences of using a monitoring system for assessing hand hygiene – a grounded theory study. Am J Infect Control. 2022 Jun;50(6):651-656.

Link: https://doi.org/10.1016/j.ajic.2021.09.023

Links relacionados:

Comparison of two electronic hand hygiene monitoring systems in promoting hand hygiene of healthcare workers in the intensive care unit https://doi.org/10.1186/s12879-020-05748-3

Hand hygiene feedback impacts compliance  https://doi.org/10.1016/j.ajic.2020.12.010

Systematic qualitative literature review of health care workers’ compliance with hand hygiene guidelines

https://doi.org/10.1016/j.ajic.2014.11.007

Evidence-based practices to increase hand hygiene compliance in health care facilities: An integrated review  https://doi.org/10.1016/j.ajic.2015.11.034

Going Electronic: Venturing Into Electronic Monitoring Systems to Increase Hand Hygiene Compliance in Philippine Healthcare

https://doi.org/10.3389/fphar.2022.843683

OMS lança primeiro relatório global sobre prevenção e controle de infecções

https://www.ccih.med.br/oms-lanca-primeiro-relatorio-global-sobre-prevencao-e-controle-de-infeccoes/

Higiene de mãos – estratégias e adorno zero  https://www.ccih.med.br/higiene-de-maos-estrategias-e-adorno-zero/

Prevenção e controle de infecção: https://www.ccih.med.br/como-e-por-que-controlar-as-infeccoes-hospitalares/

Sinopse por: Thalita Gomes do Carmo

https://www.instagram.com/profa.thalita_carmo/

TAGs / palavras chave: higiene das mãos, adesão, enfermagem, monitoramento, feedback, sistema de monitoramento eletrônico, pesquisa qualitativa, controle de infecção, prevenção de infecção



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express