Inscreva-se já.

Estudo objetivou observar se cirurgia em pacientes pediátricos com COVID aumenta o risco de complicações pulmonares no pós-operatório.

Cirurgias em pacientes com Covid tiveram maior incidência de complicações?

Estudos retrospectivos descobriram que pacientes cirúrgicos adultos com infecção por SARS-CoV-2 têm maior risco de complicações pulmonares pós-operatórias e mortalidade. No entanto, o risco para pacientes pediátricos com infecção por SARS-CoV-2 submetidos à procedimentos cirúrgicos não é bem compreendido, embora vários estudos tenham buscado entender essa questão.

O presente estudo foi realizado nos Estados Unidos, onde as vacinas tornaram-se recentemente disponíveis para crianças de 5 anos ou mais, deixando uma parte da população pediátrica vulnerável à infecção enquanto a aprovação para crianças mais novas ainda é considerada.

Dada a maior vulnerabilidade das crianças à infecção, o estudo procurou compreender as complicações envolvidas em crianças com a infecção no perioperatório. Uma melhor compreensão do comportamento da infecção por SARS-CoV-2 em crianças ajudará a guiar a tomada de decisão clínica para os pacientes pediátricos individualmente, entre as famílias, os profissionais da saúde, além de orientar as decisões institucionais para continuar os testes pré-operatórios e estabelecer protocolos para crianças infectadas que precisam de cirurgia. 

Qual foi o objetivo deste estudo?

O estudo teve como objetivo entender se os pacientes pediátricos com teste positivo para SARS-CoV-2 dentro de uma semana após a cirurgia apresentam risco aumentado para desfechos negativos e compreender se a infecção perioperatória por SARS-CoV-2 aumenta o risco de complicações pulmonares em crianças. 

Como os autores organizaram o estudo?

Realizamos um estudo de coorte observacional retrospectivo de pacientes com teste positivo para infecção por SARS-CoV-2 e submetidos a cirurgia no Primary Children’s Hospital (PCH) em Salt Lake City, Utah, de 1º de março de 2020 a 30 de junho de 2021.

Os pacientes elegíveis foram identificados a partir de registros hospitalares que estavam em andamento no PCH, a fim de rastrear o atendimento de todos os pacientes que testaram positivo para SARS-CoV-2. O diagnóstico de SARS-CoV-2 foi baseado na detecção de RNA viral por RT-PCR quantitativo.

Os pacientes elegíveis foram identificados por um sistema de rastreamento hospitalar estabelecido para acompanhar todos os pacientes que testaram positivo para SARS-CoV-2. Todos os pacientes com 18 anos ou menos que foram submetidos à cirurgia e que testaram positivo para infecção por SARS-CoV-2 dentro de 7 dias antes ou 7 dias após o procedimento foram incluídos no estudo como pacientes infectados.  O período selecionado de 7 dias antes da cirurgia é consistente com estudos anteriores.

Os pacientes de controle foram incluídos em uma proporção de 3 pacientes infectados para 1 não infectado submetidos a procedimentos cirúrgicos iguais ou semelhantes entre os grupos e tiveram resultado negativo para SARS-CoV-2 ou foram submetidos a cirurgia antes da pandemia de SARS-CoV-2. Os pacientes de controle foram pareados por idade aos pacientes infectados.

As especialidades cirúrgicas foram: urgência da cirurgia (emergente ou eletiva), complicações cirúrgicas (infecção ou sangramento) e tipo do anestésico (local, regional ou geral). A cirurgia de emergência foi definida como um procedimento que não foi agendado com antecedência.

As complicações pulmonares foram definidas como pneumonia, ventilação pós-operatória inesperada e síndrome do desconforto respiratório agudo. A ventilação pós-operatória inesperada incluiu qualquer episódio de ventilação não invasiva, ventilação invasiva, oxigenação por membrana extracorpórea após a cirurgia ou intubação, ou falha na extubação após a cirurgia.

Quais foram os principais resultados obtidos?

Um total de 73 pacientes testaram positivo para infecção por SARS-CoV-2 e foram submetidos a cirurgia dentro de 7 dias antes ou após o diagnóstico de 1º de março de 2020 a 30 de junho de 2021 no Primary Children’s Hospital.

As características de cada procedimento (urgência da cirurgia e especialidade) não foram significativamente diferentes entre pacientes infectados e controles, embora a especialidade do procedimento tenha sido correlacionada com o desenvolvimento de complicações pulmonares. A urgência da cirurgia não impactou o desenvolvimento de complicações pulmonares. A maioria dos procedimentos foi de emergência ou não planejado (75%), sendo a cirurgia gastrointestinal e geral a especialidade mais representada (42% dos procedimentos). Todos os pacientes foram submetidos à anestesia geral para todos os procedimentos neste estudo.

Um evento de morte em 7 dias e, após a cirurgia foram observados no pós-operatório de pacientes no grupo controle. Este evento foi observado após uma laparotomia exploradora de intestino delgado necrótico que levou a piora do choque hemorrágico e mortalidade. Não foram observados eventos de mortalidade em 7 ou 30 dias em pacientes infectados.

As complicações pulmonares ocorreram após 4 procedimentos realizados em pacientes infectados e as complicações pulmonares ocorreram após 3 procedimentos realizados em pacientes do grupo controle. A complicação pulmonar mais comum foi a não extubação após a cirurgia. As complicações pulmonares ocorreram com mais frequência em pacientes infectados em comparação com pacientes controle não infectados. Pacientes infectados e controle foram admitidos na enfermaria do hospital e na UTI após a cirurgia, em taxas semelhantes, e o tempo de permanência no hospital ou na UTI foi semelhante entre os 2 grupos.

O momento do diagnóstico de SARS-CoV-2 não foi associado ao desenvolvimento de complicações pulmonares. Os sintomas estavam presentes em 50% dos pacientes infectados que desenvolveram complicações pulmonares em comparação com 8,7% dos pacientes infectados que não desenvolveram complicações pulmonares, embora essa diferença não tenha alcançado significância estatística.

O que os autores concluíram?

Apesar das limitações, concluímos que as crianças com infecção perioperatória por SARS-CoV-2 podem ter maior risco de complicações pulmonares pós-operatórias em comparação com crianças não infectadas. Mais estudos multicêntricos sobre este tema devem ser realizados para obter uma melhor compreensão dos efeitos do SARS-CoV-2 em crianças submetidas à cirurgia.

O risco identificado em nosso estudo deve ser considerado na tomada de decisão clínica para pacientes pediátricos individualmente que necessitam de cirurgia. Em uma escala maior, à medida que a pandemia de SARS-CoV-2 evolui, as instituições devem considerar esses resultados para continuação dos testes pré-operatórios e de outros protocolos de segurança. 

Quais as principais limitações do estudo?

Existem limitações no estudo. Primeiro, a taxa de complicações pulmonares foi baixa em 5,5% e 1,4%, respectivamente, nos grupos infectados e controle, tornando difícil determinar se existe uma verdadeira diferença estatisticamente falando.

O baixo número de pacientes no estudo, também, aumenta a probabilidade de que possamos perder ou subestimar a diferença entre pacientes infectados e não infectados, caso exista. Mais estudos incorporando dados de várias instituições devem ser concluídos para expandir a validade externa deste estudo para ajudar a esclarecer essa questão à medida que a pandemia evolui.

Fonte: Nielson C, Suarez D, Taylor IK, Huang Y, Park AH. Surgical outcomes in children with perioperative SARS-CoV-2 diagnosis. Am J Infect Control. 2022 Jun;50(6):602-607.

Link: https://doi.org/10.1016/j.ajic.2022.02.024

Links relacionados:

Global guidance for surgical care during the COVID-19 pandemic  https://doi.org/10.1002/bjs.11646

Sinopse por: Thalita Gomes do Carmo

https://www.instagram.com/profa.thalita_carmo/

TAGs / palavras chave: pediatria, cirurgia, Covid, complicações pulmonares



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express