fbpx


CCIH Cursos: há 20 anos disseminando sabedoria

logo-ccih-famesp-496-x-866-px-1

Como envolver o pacientes e familiares com a segurança do paciente?

segurança do paciente engajamento com familia

No contexto da saúde, a segurança do paciente é um pilar fundamental para a prestação de cuidados de alta qualidade. Através de um olhar mais atento, percebe-se que a segurança do paciente não é apenas responsabilidade dos profissionais de saúde, mas também de pacientes e familiares. O envolvimento ativo desses últimos nas atividades relacionadas à segurança pode ser um diferencial significativo na prevenção de adversidades, na melhoria contínua dos processos de cuidado e na promoção de um ambiente de saúde mais seguro e confiável.

Uma das premissas básicas para que essa colaboração ocorra de forma efetiva é a comunicação aberta e transparente entre a equipe de saúde, pacientes e seus familiares. Isso significa criar um ambiente onde os pacientes se sintam confortáveis para expressar suas preocupações, fazer perguntas e discutir abertamente sobre suas condições de saúde e tratamentos propostos. Profissionais de saúde devem incentivar e facilitar esse diálogo, reconhecendo o valor das experiências e percepções dos pacientes e familiares.

A educação dos pacientes e familiares sobre segurança do paciente é outro aspecto crucial. Isso inclui informações sobre os direitos e responsabilidades dos pacientes, a importância da higiene das mãos, o reconhecimento de sinais de alerta de complicações, e o entendimento sobre medicamentos e procedimentos. Ao estarem bem informados, pacientes e familiares podem atuar como observadores atentos e participar ativamente na prevenção de erros, como a administração de medicamentos equivocados ou a ocorrência de quedas.

Além disso, a participação em comitês ou conselhos de pacientes dentro das instituições de saúde é uma forma de envolvimento que pode trazer perspectivas valiosas para a formulação de políticas e práticas de segurança do paciente. Tais iniciativas permitem que as vozes dos pacientes e familiares sejam ouvidas no mais alto nível organizacional, garantindo que suas experiências e necessidades sejam consideradas nas decisões que afetam a segurança e a qualidade dos cuidados.

A implementação de ferramentas e tecnologias que facilitam a comunicação e o acesso à informação também é fundamental. Sistemas de prontuários eletrônicos acessíveis, por exemplo, permitem que pacientes e familiares acompanhem mais de perto os planos de tratamento, resultados de exames e notas clínicas, fortalecendo sua capacidade de participar ativamente no processo de cuidado.

Para que esse envolvimento seja eficaz, é essencial que as instituições de saúde cultivem uma cultura de segurança que valorize a participação do paciente e dos familiares, encorajando a colaboração em vez de adotar uma postura defensiva diante de questionamentos e sugestões. Isso requer treinamento contínuo dos profissionais de saúde em comunicação eficaz e em abordagens centradas no paciente, além de políticas claras que promovam e facilitem esse envolvimento.

Em suma, a integração de pacientes e familiares nas atividades de segurança do paciente não é apenas um complemento às estratégias existentes, mas um componente indispensável para a construção de sistemas de saúde mais seguros e eficazes. Ao reconhecer e valorizar o papel ativo desses stakeholders, podemos avançar significativamente na prevenção de adversidades, na melhoria da qualidade do atendimento e na promoção de uma cultura de segurança sustentável.

Assista esta Pílula de Vida, na qual o nosso professor Salvador Gullo Neto nos conta as premissas de sua experiência no envolvimento de pacientes e seus familiares na cultura de segurança. Dicas sensacionais são apresentadas.

Link:

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
×