Estamos ampliando progressivamente a temática de nossos boletins, que embora ainda privilegiando informações sobre a Covid-19 passam a trazer matérias de interesse sobre controle de infecções, centro de material e esterilização, segurança do paciente, epidemiologia hospitalar, gestão dos serviços e qualidade em saúde. Dentre as notícias Covid-19, temos a  diretora da OPAS falando sobre a liderança mundial da América, com importante participação do Brasil, nas mortes particularmente de profissionais de saúde, mostrando o impacto da pandemia e a necessidade de maior proteção aos profissionais de saúde em nosso continente. Também as entidades internacionais preocupadas com as tendências da pandemia e as pressões para a retomada precoce da economia e contra o distanciamento social, lançam recomendações para as empresas e cidades mitigarem o risco de contaminação. Essas e outras notícias em nosso boletim.

Programação da TV CCIH

O nosso canal TV CCIH também está ampliando sua abordagem e este mês apresenta várias atividades ligadas ao centro de material e esterilização. Veja a programação desta semana, excepcionalmente de terça a sexta-feira, sempre a partir das 20:00 horas.

  • Dia 08/09. SuperAção. Vamos falar de sepse. Convidados: infectologistas Marcos Cyrillo e Marconi Sampaio. https://youtu.be/ZBU37xNUmxY
  • Dia 09/09. Encontro com professores. Materiais de alto custo em CME. Professor: Deydid Fernado e Kazuko Graziano. https://youtu.be/R3Nv0wXEOV8
  • Dia 10/09. SuperAção. O desafio dos fungos no ambiente hospitalar. Convidado: Infectologista Filipe Prohaska. https://youtu.be/PgFeULU0zUY
  • Dia 11/09. Encontro com professores. O emponderamento do CME. Professores: Antonio Tadeu e Kazuko Graziano. https://youtu.be/yIsHON58JOA 

Cerca de 570 mil profissionais de saúde se infectaram e 2,5 mil morreram por COVID-19 nas Américas

Os profissionais de saúde estão especialmente vulneráveis ​​à COVID-19 e, na Região das Américas, “temos o maior número de profissionais de saúde infectados no mundo”, afirmou nesta quarta-feira (2) a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne, durante entrevista coletiva. “Nossos dados mostram que quase 570 mil profissionais de saúde em nossa região ficaram doentes e mais de 2,5 mil sucumbiram ao vírus.”

Com quase 13,5 milhões de casos de COVID-19 e mais de 469 mil mortes notificadas nas Américas (4 mil mortes por dia), a escala desta pandemia não tem precedentes. “Nenhum outro grupo sentiu isso de forma mais aguda do que os próprios homens e mulheres que compõem nossa força de trabalho em saúde”, disse Etienne.

A diretora da OPAS observou que “nos EUA e México – que têm uma das contagens de casos mais altas do mundo – os trabalhadores de saúde representam um em cada sete casos”. Estes dois países respondem por quase 85% de todas as mortes por COVID-19 entre trabalhadores de saúde em nossa região.

Fonte: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6270:cerca-de-570-mil-profissionais-de-saude-se-infectaram-e-2-5-mil-morreram-por-covid-19-nas-americas&Itemid=812

Região das Américas notifica maioria das novas mortes por COVID-19 em todo o mundo

A Região das Américas registrou 64% das novas mortes notificadas em todo o mundo nos dois últimos meses, totalizando mais de 213 mil novas mortes, mesmo abrigando apenas cerca de 13% da população global, mostrou uma atualização epidemiológica publicada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

O documento observa que a maioria das novas mortes em nível mundial foram notificadas pelo Brasil, com 19%; Estados Unidos, com 16%; Índia, com 13%; e México, com 12%. O número de casos em todo o mundo aumentou 158%, com cerca de 14 milhões de casos a mais desde a publicação do relatório da OPAS em 23 de junho. As mortes aumentaram 72%, compreendendo cerca de 300 mil mortes adicionais.

Fonte: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6269:regiao-das-americas-notifica-maioria-das-novas-mortes-por-covid-19-em-todo-o-mundo&Itemid=812

Diretora da OPAS pede aos líderes do PROSUL que participem de mecanismo para acelerar acesso às vacinas contra COVID-19

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne, pediu nesta quinta-feira (27) ao bloco PROSUL de presidentes sul-americanos para trabalharem juntos no acesso às vacinas contra a COVID-19.

“Acreditamos que seu apoio e participação no mecanismo COVAX proporcionarão a melhor oportunidade de acelerar o acesso às vacinas contra a COVID-19 nacional e regionalmente nas Américas”, afirmou Etienne durante uma reunião virtual do bloco PROSUL, que inclui Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, Guiana, Paraguai e Peru. A OPAS pode fornecer orientação e apoiar o acesso acelerado às vacinas por meio de suas representações nos países e do Escritório Regional em Washington, acrescentou.

Sob o guarda-chuva do Access to COVID-19 Tools Accelerator (acelerador de acesso a ferramentas contra a COVID-19) da OMS, o mecanismo COVAX negociará em nome de muitos países em todo o mundo junto aos produtores de todas as vacinas candidatas promissoras.

Fonte: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6265:diretora-da-opas-pede-aos-lideres-do-prosul-que-participem-de-mecanismo-para-acelerar-acesso-as-vacinas-contra-covid-19&Itemid=812

CDC – Orientação sobre como preparar locais de trabalho para COVID-19

A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) desenvolveu uma orientação de planejamento COVID-19 com base nas práticas de prevenção de infecções e de higiene industrial. Ele foca na necessidade de os empregadores implementarem controles de engenharia, administrativos e de práticas de trabalho e equipamentos de proteção individual (EPI), bem como as considerações para fazê-lo. Empregadores e trabalhadores devem usar esta orientação de planejamento para ajudar a identificar os níveis de risco nos ambientes do local de trabalho e para determinar quaisquer medidas de controle apropriadas a serem implementadas.

Fonte: https://www.osha.gov/Publications/OSHA3990.pdf

CDC – Como mitigar a transmissão do COVID-19 em áreas densamente povoadas

As áreas urbanas de alta densidade podem enfrentar desafios na implementação de medidas de mitigação COVID-19, devido a limitações de espaço dentro e entre as famílias e infraestrutura limitada de água, saneamento e higiene. O CDC fornece um documento com sugestões para medidas de mitigação da comunidade em locais densamente povoados e com poucos recursos. As atividades de mitigação da comunidade são ações que as pessoas e as comunidades podem realizar para prevenir ou reduzir a transmissão local de COVID-19.

As medidas de mitigação podem ser organizadas em três categorias: controles pessoais, controles administrativos e controles de engenharia. Neste documento, os controles pessoais são basicamente limitados a ações que os indivíduos podem realizar para evitar a transmissão dentro das famílias, enquanto os controles administrativos e de engenharia são ações que as comunidades, organizações e governos podem realizar para evitar a transmissão entre famílias.

Na página do CDC (link abaixo) você encontra sugestões de ações mitigatória. Envolver as populações locais é importante, pois você adapta medidas para se adequar ao contexto local. Para fazer isso, identifique as partes interessadas e líderes comunitários de confiança para fornecer feedback sobre as medidas de mitigação propostas antes de serem implementadas. Eles conhecem as necessidades e condições locais e são capazes de aplicar as lições aprendidas em intervenções anteriores de saúde pública na comunidade, o que pode complementar as intervenções propostas de mitigação do COVID-19.

Fonte: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/global-covid-19/global-urban-areas.html

Nota Técnica 20/2020 – Recomendações sobre o uso de faceshields em Recém-Nascidos

O Ministério da Saúde, em parceria com o Departamento de Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) liberou recentemente uma nota técnica sobre os riscos em potencial do uso de viseira/escudo facial/ protetor facial/cobertura facial em recém-nascidos.

Os cuidados na proteção aos recém-nascidos devem ser maximizados, tanto no ambiente intra quanto extra-hospitalar, para evitar a contaminação pelo SARS-CoV-2, conforme consensos da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e demais sociedades e órgãos internacionais e, nesse sendo, o Departamento Científico de Neonatologia da SBP em conjunto com a Coordenação de Saúde da Criança e Aleitamento Materno COCAM/GCCIVI/DAPES/SAPS/MS conclui:

Máscaras e/ou outros disposivos como faceshields, viseiras, ou análogos que cubram a face do recém-nascido e ou do lactente de forma parcial ou total, não são recomendados para crianças menores de 2 anos de idade, recém-nascidos e lactentes.

Fonte: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2020/09/SEI_MS-0016422788-Nota-T%C3%A9cnica.pdf 

FDA Insight: A epidemia dos opióides na pandemia

Confira um trecho da entrevista com  Megan Moncur, Diretora Associada de Política de Opioides da FDA, que discutiu a epidemia de opioides e como ela foi afetada pela pandemia COVID-19:

Megan, a pandemia de COVID-19 afetou a crise de opióides? 

>> Megan Moncur: Acho que os especialistas estão dizendo que é muito cedo para ter dados definitivos sobre os efeitos da pandemia, mas o que estamos ouvindo é definitivamente preocupante. Então, por exemplo, recentemente, a AMA ou a American Medical Association, alertou que pelo menos 30 estados relataram aumento nas mortes por opióides desde o início da pandemia. E a crise de opióides é desafiadora em qualquer circunstância, mas se torna cada vez mais desafiadora quando adicionamos o que está acontecendo com a pandemia. Então, como a gente sabe, as pessoas estão lidando com ansiedade, luto, isolamento, mudanças, sabe, em casa, na escola, no trabalho. Eles podem ter preocupações financeiras e há apenas uma sensação contínua de incerteza. E como sabemos, você sabe, respostas prejudiciais a esses estressores podem levar as pessoas a recorrer ao uso de substâncias. Então, isso é difícil para qualquer um de nós, mas as pessoas com transtorno do uso de opioides ou em recuperação estão enfrentando desafios únicos.

Fonte: https://www.fda.gov/news-events/fda-insight/fda-insight-opioid-epidemic-and-covid-19-pandemic 

OMS: Corticoesteroides para COVID-19

A OMS publicou um guia sobre o papel dos corticoesteroides em pacientes com COVID-19. Os corticosteroides têm recebido atenção mundial como um tratamento potencialmente eficaz para COVID-19. Essa diretriz foi acionada em 22 de junho de 2020 com a publicação do relatório preliminar do ensaio RECOVERY, que agora foi publicado como um artigo revisado por pares. Os corticosteróides estão listados na lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial da Saúde (OMS), prontamente disponíveis globalmente a um custo baixo e de considerável interesse para todos os grupos de partes interessadas.

Fonte: https://www.who.int/publications/i/item/WHO-2019-nCoV-Corticosteroids-2020.1 

Covid-19: painéis mostram monitoramento de produtos

No enfrentamento à pandemia de Covid-19, dar transparência aos dados sobre produtos sujeitos à vigilância é uma das ações estratégicas adotadas pela Anvisa, que conta com painéis abertos ao público para consulta de informações. Por meio de plataformas de Business Intelligence (BI), são divulgados os resultados do monitoramento desses produtos e de testes de diagnóstico para Covid-19.

Uma das plataformas é a de Monitoramento pós-mercado da qualidade de produtos sujeitos à vigilância sanitária – Covid-19, que traz dados sobre produtos que estão ou estiveram em situação de irregularidade.

Neste trabalho, alguns dos resultados que desencadeiam ações da Anvisa são o desempenho insatisfatório dos produtos testados, falta de Certificação de Boas Práticas de Fabricação (CBPF) ou de regularização de Autorização de Funcionamento (AE), ausência de registro, rotulagem irregular, entre outros motivos.

As informações sobre as ações de fiscalização estão no painel, distribuídas por categorias (produtos para saúde e diagnóstico in vitro, além de saneantes e cosméticos) e em quadro organizado pelo nome da empresa responsável, produtos, lotes inspecionados e ações realizadas.

Fonte:  http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=covid-19-paineis-mostram-monitoramento-de-produtos&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=6010981&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

Pesquisa sobre instituições para idosos: ampliado prazo

Os gestores e responsáveis técnicos pelas instituições de longa permanência para idosos (ILPIs) ganharam mais tempo para responder a pesquisa sobre Covid-19. O prazo foi estendido até 30/9. A participação de todos é fundamental para auxiliar o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) a reunir informações que possam subsidiar a priorização de ações destinadas à prevenção e ao controle da pandemia do novo coronavírus nesses estabelecimentos.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=pesquisa-sobre-instituicoes-para-idosos-ampliado-prazo&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=6011245&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

Ivermectina e Nitazoxanida: volta a receita em uma via

A Diretoria Colegiada da Anvisa revisou, nesta terça-feira (1º/9), a exigência de retenção de receita para os medicamentos Ivermectina e Nitazoxanida. A ação faz parte do monitoramento constante de substâncias sujeitas a controle em virtude da emergência de saúde pública de importância internacional (ESPII) relacionada ao novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Neste contexto, verificou-se que os medicamentos Ivermectina e Nitazoxanida, no momento, não se encontram sob ameaça de desabastecimento de mercado. A alteração foi adotada visando garantir o acesso da população ao tratamento de verminoses e parasitoses bastante conhecidas e bem significativas. A decisão considera ainda que os dois medicamentos já são de prescrição médica e não vêm sendo utilizados em doenças e pacientes crônicos.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=ivermectina-e-nitazoxanida-voltam-a-receita-em-uma-via&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=6011732&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

Elaborado por Laura Czekster Anthochevis Contatos: laura_czeats@hotmail.com    ou http://linkedin.com/in/laura-czekster-antochevis-457603104


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.