Neste boletim informações  científicas ou oficiais sobre equipamentos de proteção individual (EPI), home care, máscaras de tecido, hemoterapia, reprocessamento de máscara, odontologia, farmácias, higiene hospitalar, manejo de corpos, gerenciamento de resíduos, hospitais de campanha, instituições de acolhimento, casas de repouso, testes diagnósticos, amostras biológicas, triagem de pacientes, gravidez, amamentação e isolamento social.

ANVISA compila as respostas para as principais dúvidas sobre COVID-19

A ANVISA liberou ontem (14/04) um documento contendo respostas aos questionamentos mais recorrentes que eram enviados aos canais oficiais do órgão de saúde. No documento você pode conferir:

– equipamentos de proteção individual (EPI): orientações para homecare, o que fazer em caso de  fornecimento inadequado de EPIS, recomendação para não reutilizar máscaras, se macacões são necessários, tempo de uso das máscaras N95, máscaras de tecido, orientações para os serviços de hemoterapia, orientações para serviços de saúde que não atendem casos suspeitos ou confirmados de COVID-19 e reprocessamento de máscaras;

–  processamento de dispositivos médicos;

– cuidados no setor de odontologia;

– funcionamento de serviços de tratamento/procedimentos/exames eletivos;

– realização de testes para COVID-19 em farmácias;

– limpeza de superfícies e ar condicionados;

– manejo de corpos;

– gerenciamento de resíduos;

– questões de laboratório, sobre coleta de amostras para testagem em modelo drive thru,

– orientações sobre hospital de campanha,

entre outras diversas questões que abordavam trabalhadores do grupo de risco, visitas em casas de repouso, etc.

Confira em: https://www.ccih.med.br/perguntas-respostas/ 

ANVISA  apresenta orientações para a prevenção e o controle de infecções

pelo novo coronavírus (sars-cov-2) em instituições de acolhimento

A ANVISA reconhece que a população de abrigos coletivos, casas lares, casas de passagem, albergues, entre outros, é mais vulnerável e tem risco aumentado de infecções pelo COVID-19, devido ao caráter de abrigamento coletivo e aproximação das pessoas. Em harmonia com as OMS, o documento recomenda medidas de proteção como disponibilização de álcool em gel, monitoração dos sinais e sintomas dos  acolhidos, redução do tempo dos acolhidos nas áreas comuns, entre outras.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271858/NOTA+T%C3%89CNICA+P%C3%9ABLICA+CSIPS-GGTES-ANVISA+N+01-2020/cf5b74f6-5487-4d15-996e-b00a74ef4dcb 

Quer saber mais sobre os testes diagnósticos para COVID-19? 

Acesse o relatório apresentado pelo Ministério da Saúde, que analisa a acurácia dos testes diagnósticos registrados na ANVISA até o momento.Nele você entenderá a diferença entre o teste que detecta o SARS-Covid-2, que é a reação em cadeia da polimerase com transcriptase reversa (RT ‐ PCR), e o teste que detecta se o indivíduo entrou em contato com o vírus e desenvolveu anticorpos, que é a sorologia. Também saberá quais os tipos de amostras biológicas adequadas e a análise de desempenho de 17 produtos diagnósticos registrados na ANVISA, suas metodologias e limitações.

Fonte:https://coronavirus.ceara.gov.br/wp-content/uploads/2020/04/NT_acuracia_diagnostico_COVID-19.pdf.pdf 

CDC: Quem são as pessoas em maior risco de doença grave pelo COVID-19?

Com base nas informações disponíveis no momento e nos conhecimentos clínicos, idosos e pessoas de qualquer idade com sérias condições médicas subjacentes podem estar em maior risco de doença grave por causa do COVID-19.

Com base no que sabemos agora, aqueles com alto risco de doença grave por COVID-19 são:

  • Pessoas com 65 anos ou mais;
  • Pessoas que vivem em um lar de idosos ou em instituições de longa permanência;
  • Pessoas de todas as idades com condições médicas subjacentes, principalmente se não forem bem controladas, incluindo:
    • Pessoas com doença pulmonar crônica ou asma moderada a grave
    • Pessoas com problemas cardíacos graves
    • Pessoas imunocomprometidas: muitas condições podem fazer com que uma pessoa seja imunocomprometida, incluindo tratamento contra câncer, tabagismo, transplante de medula óssea ou órgão, deficiências imunológicas, HIV ou AIDS mal controlado e uso prolongado de corticosteroides e outros medicamentos que enfraquecem o sistema imunológico
    • Pessoas com obesidade grave (índice de massa corporal [IMC] igual ou superior a 40)
    • Pessoas com diabetes
    • Pessoas com doença renal crônica em diálise
    • Pessoas com doença hepática

A OMS também disponibiliza orientações específicas para indivíduos com asma, HIV e idosos.

Fonte: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/need-extra-precautions/people-at-higher-risk.html 

CDC: Procedimento operacional padrão (POP) para triagem de pacientes suspeitos de COVID-19 em ambientes de saúde fora dos EUA: identificação precoce e prevenção de transmissão durante a triagem

As orientações do CDC trazem esclarecimentos de como os profissionais de saúde podem se proteger durante a triagem e uma atualização no algoritmo de triagem para febre (> 38 ° C) ou histórico de febre.

Fonte: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/non-us-settings/sop-triage-prevent-transmission.html 

CDC:  orientações sobre gravidez e amamentação

Atualmente, não sabemos se grávidas têm maior chance de adoecer com o COVID-19 do que o público em geral, nem se são mais propensas a ter doenças graves como resultado. Com base nas informações disponíveis, as grávidas parecem ter o mesmo risco que adultas que não estão grávidas.

No entanto, sabemos que:

  • Gestantes têm alterações em seus corpos que podem aumentar o risco de algumas infecções.
  • Gestantes tiveram um risco maior de doença grave quando infectadas com vírus da mesma família que o COVID-19 e outras infecções respiratórias virais, como a gripe.
  • A transmissão de coronavírus de mãe para filho durante a gravidez é improvável, mas após o nascimento, um recém-nascido é suscetível à disseminação de pessoa para pessoa.
  • Um número muito pequeno de bebês apresentou resultado positivo para o vírus logo após o nascimento. No entanto, não se sabe se esses bebês receberam o vírus antes ou após o nascimento.
  • O leite materno oferece proteção contra muitas doenças e é a melhor fonte de nutrição para a maioria dos bebês.
  • Em estudos limitados, o COVID-19 não foi detectado no leite materno; no entanto, não sabemos ao certo se as mães com COVID-19 podem espalhar o vírus pelo leite materno.

Leia na íntegra em: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/need-extra-precautions/pregnancy-breastfeeding.html 

Fiocruz é designada referência para OMS em Covid-19 nas Américas

Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) foi nomeado Laboratório de Referência da Organização Mundial da Saúde (OMS) para Covid-19 nas Américas.

Como Laboratório de Referência para Covid-19 nas Américas, a unidade deverá apoiar os laboratórios da região, especialmente de países de média e baixa renda; realizar o sequenciamento genético de amostras para referência global; acompanhar a evolução do vírus e identificar mutações que possam ser relevantes para testes de diagnóstico, desenvolvimento de vacina e tratamentos; desenvolver e implementar métodos de ponta para ensaios.

Fonte: https://agencia.fiocruz.br/fiocruz-e-designada-referencia-para-oms-em-covid-19-nas-americas?utm_source=Facebook&utm_medium=Fiocruz&utm_campaign=campaign&utm_term=term&utm_content=content&fbclid=IwAR1OerZqyX8nKQyrwUsmfjSYDBqJjiXH1Gy4-OgGSDQdgcV2-om4ywohjFA

COVID-19: Diretora da OPAS pede ‘extrema cautela’ na transição para medidas de distanciamento social mais flexíveis

Segundo a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienn, as medidas de distanciamento social continuam sendo nossa melhor aposta para reduzir a transmissão e retardar a propagação do vírus em nossas comunidades, e devem ser acompanhadas de medidas integrais de apoio social para garantir que os mais vulneráveis possam cumpri-lo sem riscos graves para seus meios de subsistência.

Ela também alertou que “a COVID-19 ainda não atingiu com toda força a nossa região, principalmente na América Latina e no Caribe, e esperamos que se intensifique nas próximas semanas. Certamente, o aumento de hospitalizações e mortes que vemos em alguns países destaca a velocidade com que a situação pode mudar em outros países”.

Fonte: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6145:covid-19-diretora-da-opas-pede-extrema-cautela-na-transicao-para-medidas-de-distanciamento-social-mais-flexiveis&Itemid=812 

Curso da OMS sobre COVID-19 traduzido para o português

A OPAS disponibilizou a versão em português do curso da OMS sobre doenças ocasionadas por vírus respiratórios emergentes, incluindo o novo coronavírus. Este curso fornece uma introdução geral aos vírus respiratórios emergentes, como detectar e avaliar um surto e estratégias para prevenir e controlar surtos devido a novos vírus respiratórios.

Fonte: https://www.campusvirtualsp.org/es/node/28833/

Elaborado por: Laura Czekster Antochevis



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.