Os profissionais de saúde são a verdadeira linha de frente no controle desta pandemia e a CCIH deve estar cientificamente atualizada para dar suporte às melhores práticas visando a segurança dos pacientes e dos profissionais de saúde. Continuamos a selecionar os melhores artigos para vocês se atualizarem de acordo com as melhores evidências científicas e a legislação vigente.

Isolamento social: por que fazer?

Há alguns dias está sendo compartilhado nas redes sociais mais uma artigo chinês sobre o coronavírus. Mas dessa vez ele não vem trazer perfis de pacientes ou drogas milagrosas, mas sim explica porque o isolamento social de todos, sintomáticos ou não, é um dever.

De início o artigo já traz que a fração de pessoas contaminadas mas não diagnosticadas é um fator crítico que contribui para o desenrolar de uma pandemia viral. Mesmo com sintomas leves, ou mesmo assintomáticas, esses indivíduos podem expor uma enorme porção da população, dependendo do quadro clínico e do número de pessoas.

Assim, através de modelos matemáticos, os pesquisadores estimaram a proporção e transmissibilidade das infecções não documentadas (no caso do Brasil, todos que não serão testados e apresentam síndrome gripal leve ou nenhum sintoma) durante as semanas anteriores e posteriores à medida restritiva de proibição de viagens à Wuhan, para determinar o real potencial epidêmico do SARS-CoV2.

Eles avaliaram a disseminação espacial através do número de viagens realizadas num período festivo de grande mobilidade na China. E para inferir a dinâmica da transmissão do SARS-COV2 no início do surto eles avaliaram a média de latência da doença, da duração da infecção, a taxa de transmissão das infecções documentadas, entre outros indicadores.

E o que eles encontraram? A média dos períodos de latência e de infecção foi de 3,69 e 3,48 dias, respectivamente. E que entre o período de 10 a 23 de janeiro, apenas 14% das infecções chinesas foram reportadas, estimando 86% de infecções não documentadas, as quais  teriam metade da transmissibilidade das infecções reportadas. Através do modelo matemático, estimam que, nestas mesmas 2 semanas, ocorreram 13.118 novas infecções pelo novo coronavírus, entre infecções documentadas e não documentadas, e que 86,2% das infecções foram transmitidas por casos não documentados (ou seja, aqueles casos leves ou assintomáticos, que não precisaram ir até o hospital). Além disso, também puderam inferir que, sem a transmissão desses indivíduos com doenças não documentadas, as infecções reportadas entre 10-23 de janeiro reduziriam  78,8% na China, e 66,1% em Wuhan.

Agora, avaliando o período após 23 de janeiro, quando medidas de controle de infecção (quarentena e testagem da população, por exemplo) foram instituídas, seguem seus achados: as médias de latência da doença e infecção foram parecidas com o primeiro período, mas a taxas de infecções reportadas subiu para 65% (bem superior  aos 14% do primeiro período). Importante ressaltar também que o grupo pode estimar que a transmissibilidade de doenças não documentadas também reduziu, possivelmente porque apenas os quadros mais leves ficaram sem documentação ou que o comportamento de proteção individual e precaução de contato foram realmente efetivas.

Assim, parece que este grande número de casos leves e assintomáticos teve um impacto significativo na rápida transmissão do SARS-Cov2, e que uma rápida identificação e isolamento desses portadores auxilia muito no controle do surto. Como já se sabe que aqui no Brasil, e em vários outros países, não existem testes suficientes (e mão de obra suficiente para realizá-los) para testar toda a população, podemos contribuir para o fim do surto SE ISOLANDO EM CASA, a fim de que, se estivermos infectados, não tenhamos como passar a mais ninguém, até o fim do período da transmissibilidade. Claro que além dessa medida de isolamento social, também devemos seguir higienizando as mãos e realizando etiqueta da tosse/espirro ao sair e retornar para casa após visitas essenciais ao mercado e farmácias, ou mesmo ao trabalho para aqueles que precisam ir, como os heroicos profissionais de saúde.

Fonte: Li et al., Science 10.1126/science.abb3221 (2020). Substantial undocumented infection facilitates the rapid dissemination of novel coronavírus (SARS-CoV2)

ANVISA publica orientações sobre o uso das máscaras

Em virtude dos baixos estoques do produto no mercado, a ANVISA liberou ontem (21/03) esclarecimento sobre o uso das máscaras através da Nota Técnica 04/2020.

“A Agência não orienta o uso de máscaras vencidas, mas indica o uso além do prazo de validade designado pelo fabricante. Isso porque muitos desses produtos têm indicação de descarte a cada uso.”

A nota também esclarece que o uso de máscara cirúrgica deve ser feito apenas por pacientes com sintomas de infecção respiratória (febre, tosse, dificuldade para respirar) e profissionais de saúde e de apoio que prestarem assistência a menos de um metro do paciente suspeito ou caso confirmado

http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=esclarecimento-sobre-uso-de-mascaras&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=5819123&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

ANVISA divulga orientações para instituições de cuidados de idosos

A Anvisa publicou orientações para a prevenção e o controle de infecções pelo novo coronavírus (Covid-19) em instituições de longa permanência para idosos (ILPIs), também conhecidas como asilos ou casas de repouso.

Algumas recomendações são instituições devem fazer avaliação e monitoramento periódicos de todos os idosos residentes, em relação aos sintomas gripais; reforçar a higienização das mãos em todos os ambientes, ajudando os idosos a realizar a técnica também; restringir as visitas; e reforçar a vacinação de todos os residentes.

http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/instituicoes-para-idosos-devem-prevenir-covid-19/219201?p_p_auth=U3gZ0dRD&inheritRedirect=false&redirect=http%3A%2F%2Fportal.anvisa.gov.br%2Fnoticias%3Fp_p_auth%3DU3gZ0dRD%26p_p_id%3D101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3D_118_INSTANCE_KzfwbqagUNdE__column-2%26p_p_col_count%3D2

Hidroxicloroquina: orientação aos pacientes e farmácias

ANVISA libera novas orientações para dispensação da medicação hidroxicloroquina nas farmácias de todo o Brasil. As pessoas que iniciaram tratamento com medicamento à base de cloroquina ou hidroxicloroquina agora deverão apresentar prescrição em receita especial de duas vias, para que uma via fique retida na farmácia e outra com o paciente. Além disso, as novas entradas e aquisições realizadas a partir de 21/3/2020, bem como as demais movimentações referentes a tais aquisições, como saídas, perdas e transferências, deverão ser escrituradas no SNGPC pelo farmacêutico.

MEDSCAPE: atualizações internacionais sobre coronavírus em Português

Site de consultas científicas Medscape disponibiliza página de notícias atualizadas sobre o Novo coronavírus SARS-CoV 2, em português. Por exemplo, confira a reportagem “Médicos já são 20% dos casos de Covid-19 em Portugal, diz entidade; governo contesta números”.

https://portugues.medscape.com/temas-especiais/coronavirus

Se mantenha isolado, mas não mal informado!

Quatro das principais revistas científicas mundias liberaram o acesso a todos os seus artigos sobre o novo coronavírus.

Confira nos seguintes links:

📋NEJM: https://www.nejm.org/coronavirus

📋BMJ: https://www.bmj.com/coronavirus

📋 Lancet:  https://www.thelancet.com/coronavirus

📋JAMA: https://jamanetwork.com/journals/jama/pages/coronavirus-alert

OMS lança orientações para a produção de álcool gel

Documento da OMS dá orientações passo a passo para a produção de álcool gel acessível às  farmácias hospitalares e de manipulação.

Link: https://www.ccih.med.br/producao-gel/

Protocolo para suplementação de oxigênio em pacientes com Covid-19

AMIB lança protocolo para suplementação de oxigênio em pacientes com Codiv-19 levando em conta as condições do paciente e o risco ocupacional

Link: https://www.ccih.med.br/protocolo-de-oxigenio-covid-19/

COFEN lança orientações para enfermagem frente ao COVID-19

O Cofen lança orientações para atuação da enfermagem no contexto pandêmico do Covid-19 com destaque para o uso de Epis.

Link: https://www.ccih.med.br/recomendacoes-gerais-equipes-de-enfermagem/

ANVISA atualiza nota técnica para atendimento a pacientes com Covid-19

A dinâmica epidemiológica e do processo assistencial no Brasil fez a ANVISA atualizar suas recomendações

Link: https://www.ccih.med.br/nota-tecnica-anvisa-042020/

SBI atualiza seu informativo Covid-19

Também a Sociedade Brasileira de Infectologia atualizou seu informativo sobre o Covid-19.

Link: https://www.ccih.med.br/informe-n9-da-sociedade-brasileira-de-infectologia/

Covid-19 e as instituições de longa permanência

A ANVISA lançou uma nota técnica com orientações para a prevenção e o controle de infecções pelo novo Coronavírus (sars-cov-2) em instituições de longa permanência para idosos

Link: https://www.ccih.med.br/nota-tecnica-anvisa-052020/

Máscaras duplas aumentam a proteção?

Devido o risco da superfície externa da máscara N95 ficar contaminada e para evitar seu descarte a Sociedade Brasileira de Pneumologia recomenda que sua superfície externa seja protegida com uma máscara cirúrgica.

Link: https://www.ccih.med.br/recomendacoes-da-sbpt-sobre-o-uso-de-mascaras-no-ambito-da-covid-19/

Revisão do manejo clínico de pacientes com Covid-19

O Ministério da Saúde revisou seu manual sobre o manejo clínico de pacientes com Covid-19.

Link: https://www.ccih.med.br/protocolo-de-manejo-clinico-do-coronavirus-covid-19-na-atencao-primaria-a-saude-2/

Hidroxicloroquina será o remédio para esta pandemia?

Veja o resultado de uma revisão sistemática sobre eficácia e seu da hidroxicloroquina no tratamento de infecções por Covid-19, porém sem metanálise dos resultados.

Link: https://www.ccih.med.br/resuldado-hidroxicloroquina/

Protocolo chinês para prevenção e tratamento de infecções pelo Covid-19

Muito interessante este protocolo chinês para prevenção e tratamento de infecções pelo Covid-19.

Link: https://www.ccih.med.br/handbook-of-covid-19-prevention-and-treatment/

Paramentação em procedimentos geradores de aerossóis

Governo do Rio de Janeiro lançou um protocolo para paramentação e desparamentação em procedimentos geradores de aerossóis em pacientes com Covid-19.

Link: https://www.ccih.med.br/procedimentos-geradores-de-aerossois-passo-a-passo-para-colocacao-e-retirada-dos-equipamentos-de-protecao-individual-epis/

EPIS recomendados pela OMS

A Organização Mundial da Saúde lançou um guia com os EPIs recomendados nesta pandemia do Covid-19.

Link: https://www.ccih.med.br/rational-use-of-personal-protective-equipment-for-coronavirus-disease-covid-19/

Plano de contingência frente a pandemia Covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz lançou um plano de contingência para a pandemia Covid-19.

Link: https://www.ccih.med.br/plano-de-contingencia-da-fiocruz-diante-da-pandemia-da-doenca-pelo-sars-cov-2-covid-19/

Quais são as recomendações oficiais para máscaras cirúrgicas?

Saiba quais são as recomendações oficiais do Instituto de Pesquisa Tecnológica para os tecidos de uso hospitalar, incluindo máscaras cirúrgicas.

Link: https://www.ccih.med.br/manual-de-especifi-cacoes-para-texteis-medicos/

Como fabricar máscaras cirúrgicas?

A Secretaria do Estado da Saúde de Santa Catarina orienta como fabricar máscaras cirúrgicas.

Link: https://www.ccih.med.br/orientacao-sobre-a-fabricacao-de-mascaras-cirurgicas-descartaveis-no-estado-de-santa-catarina/

Qual a eficácia das máscaras de tecido?

Professores da Faculdade de medicina da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul fizeram uma interessante revisão sobre este tema.

Link: https://www.ccih.med.br/desempenho-das-mascaras-de-tecido-contra-infeccoes-virais/

RDC da ANVISA autoriza por 180 dias fabricação de EPI sem as exigências sanitárias

RDC da ANVISA autoriza, excepcionalmente, a fabricação de EPI (máscaras e faceshield), além de outros produtos para saúde por hospitais e empresas sem a necessidade de exigências sanitárias administrativas (alvará, autorização de funcionamento e cadastro) por 180 dias.

Fonte: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-rdc-n-356-de-23-de-marco-de-2020-249317437

Notas redigidas por: Laura Antochevis e Antonio Tadeu Fernandes

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.