Inscreva-se já.

Infodemia é um neologismo criado sobre a epidemia de informações divulgadas sobre esta pandemia, muitas das quais de caráter e intenção duvidosas, neste momento que toda a humanidade deveria estar unida, talvez na maior ameaça para a saúde coletiva, enfrentada até hoje. Nosso site tem um compromisso com a qualidade das informações divulgadas e entende o estresse a que estamos submetidos, precisando de fontes confiáveis, que sinteticamente informem as principais medidas para controlarmos esta pandemia, mas também nossos medos, desejos e anseios. Neste boletim além de um artigo sobre esse problema, temos novas informações sobre a necessidade convergência das políticas efetivas socioeconômicas e de saúde; testes diagnósticos; ensaios clínicos; entre outras informações relevantes.

Programação da TV CCIH

Esta semana temos temas inovadores na nossa programação. Vamos ver o que ajuda o aprendizado dos profissionais de saúde e se esta pandemia pode contribuir para o desenvolvimento de novas práticas. Teremos depoimento de profissionais de saúde que tiveram Covid-19, sobre impactos na sua vida e profissão. Abordaremos dilemas éticos e bioéticos, que também se acentuam nesta pandemia. Vamos ampliar nossos conhecimentos sobre os vírus e os antivirais e finalmente o papel dos indicadores epidemiológicos no controle de adversidades em saúde, o que também se acentua nesta pandemia. Participem destas atividades, que são abertas a todos interessados.

  • 03/08; 20:30; Encontro com os professores Antonio Tadeu, Kazuko Graziano e Laura Czekster; Aprendizado e trabalho em equipe; https://youtu.be/aH1WIHDMrTQ
  • 04/08; 20:00; SuperAção; Ter Covid-19 mudou minha vida?; Profissionais de saúde que tiveram Covid-19; https://youtu.be/eanX9Fx6-yY
  • 05/08; 20:30; Encontro com os professores Antonio Tadeu e Beatriz Grion; Ética, bioética e a pandemia; https://youtu.be/S-v5rOtr_VQ
  • 06/08; 20:00; SuperAção; Saiba mais sobre vírus e os antivirais; Leonardo Weissmann; https://youtu.be/VUePoLED3O4
  • 07/08; 20:30; Encontro com os professores Fernando Galvanese, Kazuko Graziano e Antonio Tadeu; Indicadores epidemiológicos e o controle de doenças; https://youtu.be/Qsg6_PGOlTk

Fonte: https://www.youtube.com/c/CCIHCursosMBA

CEPAL e OPAS: Controlar a pandemia requer convergência e coordenação entre as políticas de saúde, econômicas, sociais e produtivas

Um novo relatório conjunto da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) indica que somente se a curva de contágio da pandemia de COVID-19 for achatada, as economias da região poderão ser retomadas. O relatório propõe uma abordagem com três fases que incluem a adoção de políticas de saúde, econômicas, sociais e produtivas destinadas a controlar e mitigar os efeitos da pandemia, reativar com proteção e reconstruir de maneira sustentável e inclusiva.

Alguns países têm levado a região a se tornar no atual epicentro da pandemia, encabeçando as estatísticas de casos mundiais. Em 29 de julho, foram registrados mais de 4,5 milhões de casos de COVID-19 e quase 190 mil mortes na América Latina e no Caribe. Um número significativo de países está longe de alcançar um achatamento sustentado e significativo da curva de contágio. No nível social e econômico, a pandemia desencadeou uma inédita crise econômica e social, e, se medidas urgentes não forem tomadas, poderá se transformar em uma crise alimentar e humanitária.

Segundo o relatório intitulado Saúde e economia: uma convergência necessária para enfrentar a COVID-19 e retomar o caminho para o desenvolvimento sustentável na América Latina e no Caribe, a pandemia tem afetado profundamente não apenas a vida diária das pessoas na região, mas também, seus meios de subsistência.

Fonte: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6240:cepal-e-opas-controlar-a-pandemia-requer-convergencia-e-coordenacao-entre-as-politicas-de-saude-economicas-sociais-e-produtivas-2&Itemid=875

Organizações buscam reduzir impacto da COVID-19 em povos amazônicos

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) considera que é necessário ter um diagnóstico específico das lacunas na saúde e buscar formas de facilitar o acesso a serviços de saúde e a medidas de prevenção para populações afetadas pela pandemia da COVID-19, a exemplo das comunidades indígenas, afirmou nesta segunda-feira (27) o subdiretor da OPAS, Jarbas Barbosa, em uma reunião com líderes de povos amazônicos e especialistas de várias organizações internacionais.

Barbosa indicou que a OPAS pode promover diálogos em cada país entre os Ministérios de Saúde e organizações indígenas, assim como os outros organismos que estão respondendo à pandemia, de maneira que possam desenvolver roteiros sobre a resposta. O subdiretor da OPAS afirmou que são necessários dados confiáveis sobre os casos de COVID-19 e outras doenças que afetam essas populações, assim como garantir que possam implementar as medidas de saúde pública. Ressaltou que é preciso considerar também as implicações em torno da medicina tradicional no contexto da pandemia.

Gregorio Mirabal, coordenador geral das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA) fez menção à importância de assegurar a participação dos povos indígenas nos esforços dos governos para responder à pandemia.

Fonte: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6238:opas-coica-e-outras-organizacoes-buscam-reduzir-impacto-da-covid-19-em-povos-amazonicos&Itemid=820

OMS – Considerações para a implementação de tratamento em massa, pesquisa ativa de casos e pesquisas de base populacional para doenças tropicais negligenciadas no contexto da pandemia de COVID-19

A Organização Mundial de Saúde liberou um documento que fornece uma estrutura de tomada de decisão para a implementação de intervenções de tratamento em massa, campanhas ativas de busca de casos e pesquisas de base populacional para doenças tropicais negligenciadas no contexto da pandemia do COVID-19. Uma abordagem em duas etapas é proposta: uma avaliação de risco-benefício, para decidir se a atividade planejada deve prosseguir; e um exame de uma lista de medidas preventivas que devem ser aplicadas com o objetivo de diminuir o risco de transmissão do COVID-19 associado à atividade e fortalecer a capacidade do sistema de saúde de gerenciar qualquer risco residual.

Fonte: https://www.who.int/publications/i/item/WHO-2019-nCoV-neglected-tropical-diseases-2020-1

Água, saneamento, higiene e gerenciamento de resíduos do SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19

O fornecimento de água potável, saneamento e gerenciamento de resíduos e condições higiênicas é essencial para prevenir e proteger a saúde humana durante todos os surtos de doenças infecciosas, incluindo a doença de coronavírus 2019 (COVID-19). Garantir práticas de gerenciamento de resíduos com base em evidências e consistentemente aplicadas em comunidades, residências, escolas, mercados e instalações de assistência médica, ajudará a impedir a transmissão de patógenos de humano para humano, incluindo o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19.

Fonte: https://www.who.int/publications/i/item/water-sanitation-hygiene-and-waste-management-for-the-covid-19-virus-interim-guidance 

Relatório de Progresso sobre Preparação e Resposta da OMS COVID-19 – 1 de fevereiro a 30 de junho de 2020

A OMS publicou o primeiro Plano Estratégico de Resposta e Preparação (PERP) do COVID-19 em 3 de fevereiro de 2020. Este relatório destaca os principais pontos de progresso alcançados até 30 de junho de 2020 sob os três objetivos descritos no PERP: ampliação da coordenação internacional e suporte; aumentar a preparação e a resposta dos países por pilar; e acelerar a pesquisa e a inovação. O relatório também discute alguns dos principais desafios enfrentados até o momento e fornece uma atualização sobre os requisitos de recursos para a próxima fase da resposta da OMS como parte de uma abordagem sem precedentes de toda a ONU à pandemia.

Fonte: https://www.who.int/publications/i/item/strategic-preparedness-and-response-plan-for-the-new-coronavirus

Estudo destaca importância das estratégias de mitigação do CDC

O caso de transmissão de SARS-CoV-2 em um acampamento noturno na Geórgia encontrou uma disseminação eficiente do vírus entre os campistas e funcionários, onde as principais etapas para minimizar o risco de introdução e transmissão de SARS-CoV-2 nos acampamentos não foram seguidas rigorosamente.

O acampamento adotou algumas etapas de mitigação encontradas nas Sugestões do CDC para acampamentos de jovens no verão para minimizar o risco de introdução e transmissão de SARS-CoV-2, incluindo a coorte de participantes por cabana e limpeza e desinfecção aprimoradas. No entanto, o local não exigiu que os 363 campistas usassem máscaras, apenas a equipe. Além disso, os participantes do acampamento se envolveram em uma variedade de atividades internas e externas que incluíam cantos e aplausos vigorosos diários, o que poderia ter contribuído para a transmissão.

Aglomerações, como os campos de verão noturnos de vários dias, representam um desafio único quando se trata de impedir a propagação de doenças infecciosas, considerando a quantidade de tempo que os campistas e funcionários passam muito próximos. O uso correto e consistente de máscaras de pano, limpeza e desinfecção rigorosa, distanciamento social e estratégias frequentes de lavagem das mãos, recomendadas nas orientações recentemente lançadas pelo CDC para reabrir as escolas americanas, são essenciais para impedir a transmissão do vírus em ambientes envolvendo crianças e são nossos melhores ferramentas para prevenir o COVID-19.

Fonte: https://www.cdc.gov/media/releases/2020/s0731-study-highlights-importance-mitigation-strategies.html

Diretrizes para profissionais de saúde sobre testes para COVID-19 (SARS-CoV-2)

A página do CDC fornece um ambiente completo de informações sobre a testagem para COVID-19 nos ambientes hospitalares.

Orientações sobre coleta de amostras,  diferença entre teste viral e teste de anticorpos, sintomas, indivíduos sem sintomas e exposição recente, indivíduos sem exposição em configurações especiais, resolução de Infecção, e testagem em profissionais de saúde.

O teste nos profissionais de saúde (PS) pode ser considerado em quatro situações:

  • PS com sinais ou sintomas consistentes com COVID-19;
  • PS assintomático com exposição conhecida ou suspeita a SARS-CoV-2
  • PS assintomático sem exposição conhecida ou suspeita ao SARS-CoV-2 para identificação precoce em ambientes especiais (por exemplo, casas de repouso)
  • PS que foram diagnosticados com infecção por SARS-CoV-2 para determinar quando não são mais infecciosos.

Fonte: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/testing-healthcare-personnel.html

Entenda a “infodemia” e a desinformação na luta contra a Covid-19

Conforme declarado pela OMS, o surto de COVID-19 e a resposta a ele têm sido acompanhados por uma enorme infodemia: um excesso de informações, algumas precisas e outras não, que tornam difícil encontrar fontes idôneas e orientações confiáveis quando se precisa. A palavra infodemia se refere a um grande aumento no volume de informações associadas a um assunto específico, que podem se multiplicar exponencialmente em pouco tempo devido a um evento específico, como a pandemia atual. Nessa situação, surgem rumores e desinformação, além da manipulação de informações com intenção duvidosa. Na era da informação, esse fenômeno é amplificado pelas redes sociais e se alastra mais rapidamente, como um vírus.

Confira o documento na íntegra em:

Link: (Infodemia_e_a_desinforma_o_na_luta_contra_a_Covid_19_1596188343)

FDA autoriza primeiros testes quantitativos de anticorpos de um paciente contra infecções passadas por SARS-CoV-2

No último dia 31/07, a Food and Drug Administration dos EUA autorizou os dois primeiros testes sorológicos de COVID-19 que exibem uma quantidade estimada de anticorpos presentes no sangue do indivíduo. Ambos os testes da Siemens, o ADVIA Centaur COV2G e Attelica COV2G, são chamados de testes “semi-quantitativos”, o que significa que eles não exibem uma medida precisa, mas estimam a quantidade de anticorpos de um paciente produzidos contra a infecção pelo vírus que causa COVID-19.

“Ser capaz de medir o nível relativo de anticorpos de um paciente em resposta a uma infecção anterior por SARS-CoV-2 pode ser útil, pois continuamos a aprender mais sobre o vírus e o que a existência de anticorpos pode significar”, disse Tim Stenzel, MD, Ph.D., diretor do Escritório de Diagnóstico In Vitro e Saúde Radiológica do Centro de Dispositivos e Saúde Radiológica da FDA. “Ainda há muitas incógnitas sobre o que a presença de anticorpos SARS-CoV-2 pode nos dizer sobre imunidade em potencial, mas as autorizações de hoje nos fornecem ferramentas adicionais para avaliar esses anticorpos à medida que continuamos pesquisando e estudando esse vírus. Os pacientes não devem interpretar os resultados como dizendo que são imunes ou têm algum nível de imunidade contra o vírus.”

Fonte: https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/coronavirus-covid-19-update-fda-authorizes-first-tests-estimate-patients-antibodies-past-sars-cov-2

Com Inteligência Artificial, novo teste identifica Covid-19 em 1h

Um teste produzido com IA pode detectar a covid-19 rapidamente em pacientes que chegam aos serviços de emergência. A novidade foi desenvolvida por especialistas em doenças infecciosas da Universidade de Oxford, no Reino unido feita por machine learning (aprendizado de máquina) e publicada em artigo de pré-impressão. O teste, chamado CURIAL, avalia dados coletados rotineiramente durante a primeira hora e departamentos de emergência, como exames de sangue e sinais vitais para determinar a chance de um paciente ter resultado positivo para coronavírus, com 92% de precisão.

Fonte: https://setorsaude.com.br/com-inteligencia-artificial-novo-teste-identifica-covid-19-em-uma-hora/?fbclid=IwAR2vDPrLN-NUdVbOVn_hFYy2rakf8J_5IZ2a2vpotlY8YkY2uID_1hyFt6c 

Anvisa orienta sobre a realização de estudos clínicos

A Anvisa atualiza a Nota Técnica 23/2020, que traz orientações atualizadas para patrocinadores, centros de pesquisa e investigadores envolvidos na condução de ensaios clínicos autorizados pelo órgão e de estudos de bioequivalência (BE) durante a pandemia de Covid-19.

O material detalha orientações sobre como proceder em relação a ensaios clínicos em andamento, trazendo informações específicas para pesquisas com medicamentos para Covid-19. Também há recomendações direcionadas aos Centros de Bioequivalência e sobre ensaios clínicos com dispositivos médicos para o atendimento de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

De acordo com o documento, alguns fatores podem afetar o andamento das iniciativas, tais como o isolamento ou quarentena dos participantes dos ensaios clínicos, risco de infecção do pessoal envolvido na condução dos trabalhos e o fechamento de centros de pesquisa, bem como restrições de deslocamento e de disponibilidade de profissionais de saúde, entre outros.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=anvisa-orienta-sobre-a-realizacao-de-estudos-clinicos&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=5961562&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

ANVISA: Pontos de entrada e saída de controlados são ampliados

Os aeroportos internacionais de Viracopos, em Campinas (SP), e de Confins – Tancredo Neves (MG) foram incluídos na rede nacional de pontos de entrada e saída de substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial, durante a pandemia de Covid-19.

Os dois novos pontos de entrada e saída de substâncias controladas vão se somar aos quatro já estabelecidos, que são os portos do Rio de Janeiro e de Santos e os aeroportos internacionais de São Paulo, em Guarulhos, e Tom Jobim, na capital fluminense, totalizando agora seis locais autorizados.

Dessa forma, empresas importadoras e exportadoras passam a ter mais alternativas para receber, enviar e dar mais agilidade ao acesso a produtos essenciais ao enfrentamento da pandemia de Covid-19.

De caráter extraordinário e temporário, a medida está na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 402/2020, válida a partir desta quarta-feira (29/7), data de sua publicação no Diário Oficial da União (D.O.U.). A validade da norma é de seis meses.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=pontos-de-entrada-e-saida-de-controlados-sao-ampliados&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=5963469&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

Testes de Covid-19: zerada fila de pedidos de registro

A Anvisa zerou a fila de análise de petições de registro de testes para diagnóstico de Covid-19. De acordo com a Gerência Geral de Produtos para Saúde (GGTPS), a manifestação técnica final referente ao último processo que aguardava análise foi emitida no dia 29 de julho.

De um total de quase 600 solicitações de registro recebidas entre março e julho deste ano, 329 foram aprovadas. Outros 100 pedidos não atenderam aos requisitos regulatórios e foram reprovados.

Dezenove aguardam a certificação de boas práticas de fabricação de empresas internacionais para a publicação do registro e mais 126 encontram-se em fase de exigência técnica, quando a Anvisa solicita dados complementares ao fabricante.

Os testes para Covid-19 são dispositivos médicos de uso profissional que podem identificar anticorpos, ou seja, uma resposta do organismo ao contato com o vírus, seja ele recente (IgM) ou há mais tempo (IgG). Há também dispositivos que identificam material genético (RNA) ou “partes” (antígenos) do vírus, por meio do RT-PCR.

Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=2&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_groupId=219201&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_urlTitle=testes-de-covid-19-zerada-fila-de-pedidos-de-registro&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_assetEntryId=5965517&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_type=content

Elaborado por Laura Czekster Anthochevis

Contatos: [email protected]   ou http://linkedin.com/in/laura-czekster-antochevis-457603104



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH, CME e EQS